Agroquímicos puxam lucro da Bayer no 2º trimestre

Frankfurt, 31 - A Bayer informou hoje lucro líquido de 128 milhões de euros (US$ 154 milhões) no segundo trimestre, mesmo valor obtido em igual período do ano passado. Já o lucro antes de juros, impostos e itens extraordinários (Ebit)de abril a junho avançou 44,1%, totalizando 660 milhões de euros (US$ 795 milhões). As vendas do grupo somaram 7,2 bilhões de euros (US$ 8,6 bilhões), evolução de 4,5% no comparativo entre os trimestres. A empresa considerou a performance do primeiro semestre "animador" e estima crescimento de 10% no Ebitda, em 2004. Descontando os efeitos cambiais, as vendas foram 7,9% superiores às do ano passado. O executivo-chefe da Bayer, Werner Wenning, demonstrou satisfação com a performance da companhia. "O segundo trimestre mostrou que nossa nova estratégia e as medidas associadas a ela estão gerando resultado", disse ele. Outra influência positiva nos números foi a alta demanda por produtos industriais das divisões MaterialScience e Lanxess no período. A performance da unidade Bayer CropScience (voltada à área agrícola) se mostrou especialmente forte, enquanto a de HealthCare (divisão de saúde) apresentou declínio já esperado. O fluxo de caixa bruto da empresa declinou 8% entre abril e junho, para 831 milhões de euros (US$ 1 bilhão), ante o mesmo período de 2003. Por outro lado, o fluxo de caixa livre avançou 22,3%, totalizando 1,14 bilhão de euros (US$ 1,68 bilhão). Em relação ao primeiro trimestre deste ano, a Bayer foi capaz de reduzir sua dívida líquida em 500 mil euros, passando-a para 6,1 bilhões (US$ 602 mil). A contribuição mais significativa foi dada pela Bayer CropScience, cujo Ebit avançou 329% no período, passando de 37 milhões de euros obtidos no mesmo trimestre do ano passado para 159 milhões de euros (US$ 191 milhões). O desempenho foi alcançado graças ao salto de 4,8% nas vendas, que somaram 1,64 bilhão entre abril e junho (US$ 1,97 bilhão), além das sinergias obtidas com a integração da unidade de CropScience da Aventis. (Ana Sílvia Morais)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.