Agroquímicos: recolhimento de embalagens cresce 122,7% até agosto

Ribeirão Preto, 15 - O sistema brasileiro de recolhimento e destinação final de embalagens vazias de defensivos agrícolas atingiu a marca de 10,4 mil toneladas devolvidas entre os meses de janeiro e agosto de 2004, índice 122,7% superior ao mesmo período de 2003. A informação é do Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev), entidade sem fins lucrativos que representa a indústria fabricante de produtos fitossanitários em sua responsabilidade de conferir correta destinação final às embalagens vazias dos agroquímicos aplicados na agricultura. Até o fim do ano a estimativa é de que sejam devolvidas 15,3 mil toneladas de embalagens. Responsáveis pelos maiores volumes de recolhimento do País, os Estados do Paraná, Mato Grosso e São Paulo devolveram 61,2% do total recolhido no Brasil no período. No entanto, em Minais Gerais houve o maior crescimento porcentual na devolução. Os agricultores mineiros devolveram 541% a mais de embalagens em relação a 2003 (de 150,4 para 964,5 toneladas) e foram seguidos pelo Rio Grande do Sul, cujo índice de recolhimento aumentou em 378,4% (de 146,3 para 700 toneladas). Já o ranking dos estados que mais devolvem embalagens proporcionalmente ao consumo tem Bahia, Paraná e Mato Grosso nas primeiras colocações. No período de um ano, de julho de 2003 a agosto de 2004 os agricultores desses estados devolveram, respectivamente, 98,4%, 94,1% e 80,2% das embalagens dos agrotóxicos consumidas. As embalagens recebidas podem ter dois destinos finais: reciclagem ou incineração. Atualmente existem mais de dez artefatos produzidos com o material dessas embalagens, como conduítes, cordas, embalagem para óleo lubrificante, madeira plástica, entre outros.

Agencia Estado,

15 de setembro de 2004 | 17h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.