AIG consegue linhas crédito de US$ 4,3 bilhões

Seguradora norte-americana se prepara para pagar sua ajuda ao governo dos EUA

Regina Cardeal, da Agência Estado,

27 de dezembro de 2010 | 17h16

A seguradora American International Group (AIG), que se prepara para pagar sua ajuda ao governo dos EUA, informou que obteve novas linhas de crédito de bancos comerciais, no total de US$ 4,3 bilhões, para substituir os recursos do Fed de Nova York. Os investidores reagiram positivamente à notícia. Às 15h57 (de Brasília), as ações da AIG subiam 8,52% para US$ 58,96.

A companhia controlada pelo governo disse que conseguiu US$ 3 bilhões em créditos bancários, divididos entre uma linha de 364 dias e outra de três anos. Além disso, a subsidiária Chartis obteve uma carta de crédito de um ano de US$ 1,3 bilhão.

As novas linhas são fornecidas por 36 bancos, entre eles JPMorgan, Bank of America, Citigroup e Goldman Sachs, e estarão disponíveis à AIG quando a companhia pagar e, desta forma, encerrar o programa de crédito do Fed de Nova York, que foi estabelecido quando o governo socorreu a seguradora em setembro de 2008.

A companhia de Nova York já separou recursos procedentes de recentes vendas de ativos para pagar cerca de US$ 20,6 bilhões devidos ao Fed de Nova York. A linha deve ser encerrada nas próximas semanas quando a AIG e o governo concluírem um acordo de recapitalização que vai abrir caminho para que o Departamento do Tesouro comece a vender sua participação majoritária na companhia a partir de 2011.

A obtenção de linhas de crédito sem garantias é um marco no complexo processo de reestruturação da seguradora. Em 2008, a companhia foi forçada a recorrer à ajuda federal após ficar sem acesso a fontes privadas de financiamento em meio a uma crise de liquidez. No início deste mês, a AIG vendeu seus primeiros bônus sem garantias em mais de dois anos, captando US$ 2 bilhões. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
AIGcréditogovernoEUAações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.