Ainda não há certeza sobre reunião do CNPE nesta quarta-feira, diz ministro

Segundo Márcio Zimmermann, reunião havia sido marcada para o caso de o processo de capitalização já estar concluído

Kelly Lima, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 18h09

O ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann disse nesta terça-feira, 31, que ainda não há certeza de que haverá reunião do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) na quarta-feira para referendar o preço do barril de petróleo da cessão onerosa para a Petrobrás. Indagado sobre a possibilidade do preço do barril ser divulgado amanhã, após a reunião, Zimmermann foi lacônico: "Primeiro é preciso saber se vai haver reunião", disse ao chegar para abertura do Windpower 2010.

Segundo ele, a reunião foi previamente marcada para o caso de eventualmente o processo da capitalização da Petrobrás já estar concluído. "Se terminasse tudo, precisaríamos da reunião", disse. Ele não quis comentar detalhes do processo. "Vou repetir sete vezes a mesma coisa, que não vou comentar nada sobre isso", disse.

Embora o ministro não confirme, duas fontes governamentais ouvidas pela Agência Estado disseram que o CNPE deve se reunir nesta quarta-feira. De acordo com as fontes, a previsão, ainda não confirmada oficialmente, é de que o CNPE se reúna amanhã às 16 horas. O local ainda não está certo, mas é possível que seja o Palácio Planalto, com a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ou a sede no Ministério de Minas e Energia. Logo após, deve ocorrer a reunião do Conselho de Administração da Petrobrás, para aprovar o mesmo contrato.

Perguntado por jornalistas se o preço do barril da cessão onerosa já estaria fechado, o ministro também foi evasivo: "Há uma equipe reunida há semanas discutindo os critérios das certificadoras. São muitos critérios, os barris estão em águas profundas", disse.

Zimmermann também esquivou-se de tecer comentários sobre a Medida Provisória 500, publicada hoje no Diário Oficial da União. "Desconheço esta medida. É melhor vocês perguntarem sobre isso para o Mantega", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.