Air China nega ter cancelado encomendas à Airbus

A Air China disse nesta quinta-feira que não diminuiu nem cancelou as encomendas à Airbus e afirmou ainda que planeja aumento de capacidade.

REUTERS

29 de março de 2012 | 10h29

A China suspendeu a compra de 55 aviões da Airbus, entre eles 45 A330s e 10 superjumbos A380 em um valor total de 14 bilhões de dólares em meio à disputa com a União Europeia sobre o programa de emissão de carbono.

"A posição de nosso governo central continua de oposição firme à decisão unilateral da UE de impor a tarifa sobre o carbono. A atitude da Air China é a mesma do nosso governo", disse o presidente de conselho da companhia nacional, Wang Changshun, em coletiva.

"Até agora eu não recebi nenhuma informação formal", disse Wang ao ser questionado se a companhia tinha cancelado algum pedido à Airbus.

A companhia manterá o cronograma de receber 35 novos aviões neste ano, entre eles 14 A320/A310 e seis A330s, da Airbus, segundo secretário de conselho Rao Xinyu.

"Vamos aumentar nossa capacidade em 8 por cento nas rotas nacionais e 12 por cento nas internacionais neste ano",

A companhia teve queda de 41 por cento no lucro de 2011, para 7,08 bilhões de iuanes (1,12 bilhão de dólares) por causa dos maiores custos, recessão no mercado de transporte de passageiros e queda significante nos transportes de carga.

A Air China tem encomendas para um total de 51 aviões da Airbus, a serem entregues até 2014, entre eles 30 unidades do A320/310 e 21 do A330.

Até o fim de 2011, a frota tinha 432 aviões, com uma média de 6,77 anos.

(Por Alison Leung)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASAIRCHINAAIRBUS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.