Alavancagem da Petrobrás sobe para 40% no 2º trimestre

Relação entre dívida e patrimônio permanece acima de 35%, o que é uma ameaça à manutenção do grau de investimento da estatal

André Magnabosco, Agência Estado

08 de agosto de 2014 | 19h29

A alavancagem líquida da Petrobrás, medida pela relação entre endividamento líquido e patrimônio líquido, fechou o segundo trimestre de 2014 em 40%, novamente acima do patamar de 35% desejado pela estatal. O indicador havia rompido a barreira de 35% no terceiro trimestre do ano passado, ao atingir 36%. No trimestre seguinte, o indicador voltou a subir e chegou a 39%, número mantido no primeiro trimestre deste ano.

Embora o limite de 35% de alavancagem líquida fosse defendido pelo diretor Financeiro Almir Barbassa, a companhia já incorporou o cenário de alavancagem acentuada em suas projeções. No plano estratégico divulgado em fevereiro passado, a Petrobrás destacou que a alavancagem terá trajetória decrescente, dentro do limite de 35%, somente a partir de 2015.

No mesmo plano estratégico, a companhia informou que o indicador entre dívida líquida e Ebitda ajustado cairá abaixo do limite de até 2,5 vezes igualmente a partir de 2015. Por enquanto, contudo, esse indicador continua em níveis elevados. Após atingir o patamar de 4 vezes no primeiro trimestre, a alavancagem caiu para 3,94 vezes no segundo trimestre.

O indicador de alavancagem líquida ganhou importância em 2010, ano em que a estatal realizou sua megacapitalização de mais R$ 120 bilhões. Na oportunidade, uma das razões para que a Petrobrás anunciasse a operação foi justamente a preocupação de que o indicador superasse 35% e colocasse em risco a condição de grau de investimento concedido pelas agências de classificação de risco.

Concluída a operação, a alavancagem da estatal caiu de 34% no segundo trimestre para 16% no terceiro trimestre de 2010. Desde então, porém, o indicador manteve trajetória ascendente até o primeiro trimestre deste ano, quando parou de subir. No segundo trimestre, a trajetória de elevação foi retomada.

Já o indicador entre dívida líquida e Ebitda é observado por analistas e investidores porque relaciona a geração de caixa de uma empresa e sua capacidade de honrar compromissos contratados. O atual patamar de alavancagem da Petrobrás indica que a estatal precisaria de 3,94 anos para levantar os recursos necessários ao pagamento de suas dívidas, caso o volume de geração de caixa, volume de recursos em caixa e endividamento ficassem inalterados durante esse período.

Recorde. O balanço do segundo trimestre de 2014 mostra que o nível de endividamento da estatal parou de crescer. A dívida bruta da companhia encerrou o mês de junho em R$ 307,712 bilhões, abaixo da marca de R$ 308,147 bilhões do fechamento do primeiro trimestre.

O volume de recursos da estatal, incluindo montante em caixa e títulos públicos federais, chegou ao final de junho em R$ 66,363 bilhões, o que representa uma retração de 15,4% em relação ao total de R$ 78,478 bilhões em disponibilidades ao final do primeiro trimestre. Com isso, a dívida líquida chegou ao final do trimestre em R$ 241,349 bilhões, uma expansão de 5,1% em relação a março.

Tudo o que sabemos sobre:
petrobraslucro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.