Alcoa levanta US$1,3 bi e ações disparam

A gigante do setor de alumínio Alcoa informou nesta quinta-feira que levantou 1,3 bilhão de dólares, montante acima do esperado, em uma oferta de ações e títulos conversíveis. O anúncio fazia as ações da companhia disparar mais de 20 por cento.

MATT DAILY E WALDEN SIEW, REUTERS

19 de março de 2009 | 16h12

A companhia, que sofreu as consequências da redução da demanda por metais com a crise econômica, informou na segunda-feira que planejava arrecadar até 1,1 bilhão de dólares com a operação.

A Alcoa informou ter precificado uma oferta pública de 500 milhões de dólares em notas conversíveis de 5,25 por cento com vencimento em 2014, o dobro dos 250 milhões de dólares que ela planejava emitir inicialmente.

"Uma série de operadores está se desfazendo de suas ações e comprando esses títulos por conta de um cupom atraente", disse Mirko Mikelic, gerente da Fifth Third Asset Management.

A Alcoa também ofereceu 150 milhões de novas ações a 5,25 dólares cada, preço cerca de 4,2 por cento abaixo do valor de fechamento na quarta-feira.

As ações da companhia caíram 10 por cento no início desta semana quando a Alcoa divulgou que poderia cortar o pagamento de dividendos e levantar capital diante da demanda moribunda por metais industriais, mas a alta desta quinta-feira mais que apagou as perdas dos papéis.

A cotação de 5,25 dólares também traz sinais de confiança do mercado. Um analista disse que esperava um preço de até 5 dólares pelo papel.

O anúncio do Federal Reserve de que irá comprar títulos da dívida dos EUA, levando o valor do dólar à maior queda em dois meses, elevou os preços do alumínio, ajudando as ações da Alcoa.

"Quando o preço do dólar começa a cair, as commodities sobem e é isso o que impulsiona os papéis da Alcoa", disse Charles Bradford, da Bradford Research.

Os preços do alumínio na London Metal Exchange subiram 4,6 por cento para sua maior cotação em mais de um mês nesta quinta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIAALCOABI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.