Álcool: governo revê estudo que projeta demanda por combustíveis

Ribeirão Preto, 22 - O governo federal e a iniciativa privada iniciaram nesta semana a revisão do estudo que definia as perspectivas de consumo do álcool, do GNV (gás natural veicular) e da gasolina na matriz energética brasileira até o final desta década. A demanda de consumo dos três combustíveis até 2010 bem como as vendas ou conversões de automóveis e comerciais leves integraram o relatório final de um grupo de trabalho permanente criado para essa finalidade pelo Ministério da Agricultura dentro da Câmara Setorial do Açúcar do Álcool. A disparada nas vendas dos veículos flex fuel, movidos a gasolina e/ou álcool, a alta demanda pelo álcool no mercado interno e as exportações recordes do etanol combustível foram os motivos apontados pelo presidente da Câmara Setorial, Luiz Carlos Corrêa de Carvalho, para realizar uma segunda versão do documento. No estudo, por exemplo, o grupo formado por técnicos do governo, da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), de produtores da cadeia sucroalcooleira e de representantes do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom), previa que as vendas dos veículos flex fuel somassem 250 mil unidades em 2004, meta que já foi ultrapassada nos nove primeiros meses deste ano. Até setembro foram vendidas, segundo a Anfavea, 253.817 veículos com essa tecnologia. O documento original, divulgado em meados deste ano, previa ainda que o consumo total de álcool no mercado interno chegasse 11,5 bilhão de litros em 2004 e que as exportações do combustível chegassem a 1 bilhão de litros. Hoje, projeções do próprio governo apontam para um consumo externo de 12,6 bilhões de litros e exportações de 2 bilhões de litros em 2004. "É uma loucura a variação que tivemos no consumo do álcool. Quando fizemos o primeiro estudo, o consumo mensal total do álcool chegava a 900 milhões de litros. Hoje está em 1 bilhão e 50 milhões", disse Carvalho, que ainda não tem previsão de quando a atualização dos dados estará disponível.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.