Álcool: preço do anidro sobe 114,4% e do hidratado, 109,6%

Ribeirão Preto, 26 - O preço do álcool anidro subiu 114,4% e o do hidratado aumentou 109,6% nas usinas, desde a semana de 19 a 23 de abril, justamente no início da safra no Centro-Sul do Brasil. A análise é do Cepea/Esalq que constatou ainda que, pela primeira vez, desde 1999, quando começou o levantamento de preços do combustível no Estado de São Paulo, o álcool hidratado tornou-se mais remunerador do que o açúcar. Com base no Indicador do Açúcar Cristal Cepea/Esalq desta segunda-feira, que foi de R$ 27,99 a saca de 50 kg, e com os fechamentos dos alcoóis da última semana, constata-se que o álcool hidratado, de forma inédita, remunerou 3% a mais que o açúcar. A vantagem do anidro é ainda maior, 13% a mais que o açúcar e 11% em relação ao hidratado. Na última semana, indicador Cepea/Esalq para o Estado de São Paulo registrou alta de 5,23% e chegou a R$ 0,94940/litro (sem impostos). O hidratado combustível também subiu e fechou em R$ 0,81128/litro (sem impostos), valorização de 5,27% ante à semana anterior. De acordo com cálculos do Cepea, o açúcar deveria ser comercializado a R$ 32,15 a saca de 50 kg para equivaler ao valor do álcool anidro e o valor de paridade com o álcool hidratado seria de R$ 28,95 a saca. Com isso, os produtores brasileiros, com bons estoques de açúcar para a entressafra e esperando um aumento na demanda internacional para o início de 2005, ampliam a produção e a venda de álcool no mercado interno. "Com as chuvas das últimas semanas e com uma nova estiagem prevista para até o final desta, a tendência é de que as usinas priorizem a produção de álcool. Primeiro, porque a qualidade da cana cai e tem como melhor destino a produção do combustível. Segundo, porque é preciso garantir o abastecimento", disse Luiz Carlos Corrêa Carvalho, consultor e presidente da Câmara Setorial do Açúcar e do Álcool. Ontem o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, se reuniria à noite com o presidente da União da Agroindústria Canavieira de São Paulo (Unica), Eduardo Pereira de Carvalho, para tratar do abastecimento do combustível na entressafra. Hoje, representantes dos sindicatos de produtores de açúcar e de álcool fazem uma reunião de rotina em Brasília, mas o assunto será colocado em pauta. (fim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.