Alemã E.ON anuncia que se dividirá em duas e ações disparam

A maior concessionária de serviços públicos da Alemanha, a E.ON, anunciou no domingo planos para se dividir em duas e alienar a maior parte de seus negócios de geração de energia, negociação de energia e exploração e prospecção, respondendo a uma crise que debilitou o setor europeu de energia.

REUTERS

01 Dezembro 2014 | 12h32

A E.ON disse querer focar em suas atividades de energia renovável, redes de distribuição reguladas e serviços de eficiência de energia personalizados, citando "mercados de energia globais dramaticamente alterados, inovações técnicas, e expectativas de consumidores mais diversas".

"Vimos o surgimento de um novo mundo de energia", disse o presidente-executivo Johannes Teyssen a analistas nesta segunda-feira, acrescentando que o crescimento de renováveis e a queda de usinas a carvão e gás serviram como os principais gatilhos para a reorganização.

"O modelo atual de negócios amplos da E.ON não pode responder adequadamente a estes novos desafios", ele acrescentou.

As ações do grupo chegaram a subir 6,3 por cento, uma das maiores altas entre concessionárias europeias de serviços públicos.

O setor de energia da Alemanha tem sido atingido por um período prolongado de demanda fraca, baixos preços no atacado e um salto em fontes renováveis que continuam a substituir usinas a carvão e a gás.

A E.ON disse que vai se preparar em 2015 para a listagem da nova companhia criada por sua divisão, com a venda de ações acontecendo na segunda metade de 2016.

(Por Christoph Steitz)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIAEONDIVISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.