Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Tobias Schwarz/ Reuters
Tobias Schwarz/ Reuters

Alemanha aprova mudanças no fundo de crédito europeu

Legisladores aprovaram a reforma com 523 votos favoráveis

Clarissa Mangueira, Cynthia Decloedt e Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

29 de setembro de 2011 | 08h03

O Parlamento alemão aprovou hoje, por ampla maioria, a legislação para ampliar o alcance e o volume do fundo de resgate da zona do euro, a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, em inglês).

Os legisladores aprovaram a reforma com 523 votos favoráveis, enquanto 85 vetaram a mudança e três se abstiveram.

O ministro da Economia da Alemanha comemorou a aprovação pela maioria do Parlamento alemão da legislação para mudanças na EFSF, como uma indicação da solidez da coalizão do governo e do euro.

"Temos uma forte maioria para o resgate do euro", disse Philipp Roesler após a aprovação da legislação para ampliar o alcance e o volume do fundo de resgate da zona do euro, por 523 votos a favor, 85 contra e três abstenções.

"Demos início à segunda metade do período legislativo com clara vitória da coalizão", disse. Um total de 315 legisladores da coalizão do governo da chanceler Angela Merkel formado pela União Democrata Cristã (CDU), União Social Cristã (CSU) e pelo Partido Liberal Democrata (FDP) votaram à favor da legislação, enquanto 13 votaram contra. O resultado mostra que a coalizão de Merkel obteria a aprovação da legislação mesmo sem a ajuda dos partidos de oposição.

A legislação aprovada inclui uma exigência de aprovação pelo Parlamento de todas as decisões importantes sobre futuros programas de ajuda à zona do euro. "No futuro, nada poderá ser feito na Europa sem o Bundestag (Câmara baixa alemã)", disse Roesler.

O governo irá agora trabalhar para que os países europeus adotem emendas equilibradas de orçamento em suas constituições nacionais, acrescentou Roesler.

Grécia

A agenda de eventos da Europa desta quinta-feira ainda traz como destaque a volta do grupo de representantes dos credores internacionais à Grécia para dar continuidade às negociações sobre a liberação da próxima parcela de auxílio financeiro aos gregos.

A troica, que reúne inspetores da Comissão Europeia, Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Central Europeu (BCE), deverá chegar em Atenas por volta do meio dia desta quinta-feira, após quatro semanas de uma longa ausência, para avaliar a elegibilidade do País de receber a próxima parcela do pacote de ajuda.

A visita das autoridades ocorre em meio a uma onda de protestos e enquanto o governo da Grécia estuda novas medidas de austeridade para assegurar o recebimento da ajuda.

Mais cedo, dezenas de manifestantes ocuparam o Ministério das Finanças da Grécia, em um esforço para impedir que os inspetores entrem no edifício, enquanto o gabinete da Grécia estava previsto para discutir cortes nos salários dos funcionários públicos, entre outras coisas, a fim de reduzir o déficit orçamentário.

"A troica está chegando hoje ao meio-dia e nós esperamos realizar as primeiras reuniões face a face no final da tarde, mas a hora exata não foi decidida ainda", disse um funcionário do ministério das Finanças da Grécia. "Enquanto isso, a reunião de gabinete pode ir até tarde."

Um funcionário do Ministério das Finanças afirmou que a Grécia espera concluir essas conversações mais tardias durante o fim de semana, antes da reunião dos ministros das Finanças europeus no dia 3 de outubro, em Luxemburgo. Se a troica aprovar o plano orçamentário da Grécia, uma reunião separada dos ministros das Finanças está prevista para meados de outubro para aprovar o mais recente desembolso de ajuda ao país. Na segunda-feira, a Grécia deverá apresentar seu plano para o orçamento de 2012 ao Parlamento.

As informações são da Dow Jones.

(Texto ampliado às 10h20)

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaEFST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.