Alemanha vê necessidade de mais tempo para análise de EADS-BAE

O ministro da Defesa da Alemanha, Thomas de Maiziere, disse nesta quinta-feira acreditar que deverá ser necessário mais tempo além do prazo de 10 de outubro para discussão da proposta de fusão entre a EADS e a BAE Systems para criar uma gigante aeroespacial e de defesa.

ADRIAN CROFT, Reuters

27 de setembro de 2012 | 14h13

"Talvez seja necessário mais tempo. Depende das respostas a nossas questões, mas penso que será necessário mais tempo", disse Maiziere a repórteres em Nicosia, quando perguntado se estava otimista com o prazo limite de 10 de outubro.

Pelas regras de aquisição britânicas, a franco-alemã EADS, dona da Airbus, e a britânica BAE têm até 10 de outubro para detalhar o plano da fusão de 45 bilhões de dólares, que é complexa devido aos interesses dos governos envolvidos.

Uma fonte do governo francês também mostrou dúvida de que o prazo seria atingido, dizendo que há muitos assuntos complexos em discussão.

A EADS tem fábricas na Alemanha, França, Espanha e Inglaterra. A EADS e a BAE disseram que vão tentar oferecer aos governos dos quatro países uma "golden share" na nova companhia, o que daria a eles direito de vetar qualquer possível aquisição hostil no futuro.

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASEADSBAEALEMANHALEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.