Algodão: CTNBio prepara resposta à ação do Meio Ambiente

Brasília, 30 - Os representantes da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) vão preparar um relatório com todas as informações referentes à liberação para comercialização e cultivo de sementes convencionais de algodão com presença de até 1% de transgenia. Esse relatório será encaminhado à consultoria jurídica do Ministério da Ciência e Tecnologia. A comissão está subordinada ao ministério. O documento terá por objetivo responder aos questionamentos apresentados pelo Ministério do Meio Ambiente, que decidiu recorrer da decisão da CTNBio, tomada no dia 11 de novembro. Ao questionar a decisão, o Meio Ambiente argumenta que não foi feito estudo de impacto ambiental para a verificação das eventuais conseqüências com a liberação desse tipo de algodão. Hoje, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ligada ao Ministério da Saúde, informou que apóia a decisão do Meio Ambiente. Se os advogados da pasta avaliarem que houve falha na liberação do algodão transgênico, a CTNBio pode rever sua decisão de autorizar a comercialização e cultivo das sementes de algodão com limite de 1% de transgenia. Nesse caso, o assunto será discutido nos dias 8 e 9 de dezembro, durante reunião mensal da CTNBio, em Brasília. Caso a área jurídica do Ministério da Ciência e Tecnologia julgue correto o procedimento da comissão, o assunto estará encerrado, ou seja, prevalecerá o parecer da CTNBio do último dia 11. Por meio de sua assessoria de imprensa, a comissão informou "que o processo de liberação foi feito dentro dos trâmites legais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.