Algodão/Cenário: mercado fecha agosto muito firme; Nybot subiu 22%

São Paulo, 31 - O mercado de algodão encerra agosto com tendência francamente altista, fechando junto com o mês o ciclo de baixa iniciado na abertura da colheita da safra brasileira. O índice Esalq ficou ontem em R$ 1,5422 por libra-peso posto São Paulo, com pagamento em oito dias. A alta acumulada em agosto é de 1,93%. O físico negocia "do Esalq para mais", na expressão dos corretores. O mercado está mais movimentado, é comprador, e esta semana já ocorreram vendas a preços entre R$ 1,55 e R$ 1,57/libra posto fábrica, com pagamento em oito dias. Corre o comentário de que os comerciantes venderam bom volume em agosto, e tendem ao desabastecimento. Com isso, tanto indústria quanto o próprio comerciante se voltam para a oferta direta do produtor. A demanda sustenta a tendência positiva, portanto, juntamente com a retração do produtor em vender no físico, ocupado que está com as entregas de contratos antecipados. Além disso, Mato Grosso praticamente encerrou a colheita, e registra problemas de produtividade e qualidade. O cenário internacional também influi para a firmeza do mercado doméstico de algodão. O índice Cotlook A encerrou agosto em US$ 0,5585/libra, com alta acumulada de 2,47% no mês. Mas a valorização mais impressionante ocorreu na Bolsa de Nova York (Nybot), onde os contratos futuros para outubro e dezembro acumularam ganhos de 22,75% e 22,43% em agosto, respectivamente. Hoje o outubro fechou em US$ 0,5380/libra na Nybot, e o dezembro em US$ 0,5436/libra. Ambos os contratos flertaram com o patamar de US$ 0,43/libra na segunda semana do mês. Incertezas quando aos efeitos do clima sobre as lavouras dos EUA e da China estimulam o movimento de compras especulativas, responsável pela forte alta na bolsa americana. (João Baumer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.