Algodão/Cenário: mercado segue firme e negocia a R$ 1,50/libra

São Paulo, 24 - O mercado de algodão reverteu o movimento de baixa, e a indústria nacional é compradora. O índice Esalq retomou ontem o patamar de R$ 1,50 por libra-peso posto São Paulo, com pagamento em oito dias. A baixa acumulada pelo indicador em agosto caiu para 0,55%. O físico negocia a preços entre R$ 1,48 e R$ 1,50/libra posto fábrica, com pagamento em oito dias. "Se o tipo for um pouquinho mais alto, o preço é melhor", resume um corretor. A principal razão apontada para a reversão da direção dos preços internos do algodão é o aumento da procura pela indústria. "Até o momento o estoque dos comerciantes tem sido a principal fonte de matéria-prima para a indústrias, mas em breve a fibra deverá ser adquirida do produtor", diz um operador. "Além disso, faltam no mercado tipos mais finos, que estão sendo encaminhados para a exportação", acrescenta. A tranqüilidade do vendedor coincide com o aumento da demanda doméstica e os preços ficam mais firmes. O cenário externo influi positivamente, com futuros acima de US$ 0,50/libra na Bolsa de Nova York (Nybot) e índice Cotlook A em US$ 0,5455/libra. "Todo o quadro de preços é positivo, mas não tem muito apoio em fatores fundamentais, especialmente no mercado internacional. Temos que aguardar um pouco mais para ver se a recuperação se consolida como tendência", salienta Marco Antonio Aluisio, gerente comercial da Esteve Irmãos e diretor da Associação Nacional de Exportadores de Algodão (Anea). (João Baumer, segue) A curva negativa dos preços ao longo de 2004 põe em dúvida a performance da próxima safra (2004/05), com produtores indecisos quanto ao novo plantio. A Anea voltou a reduzir suas projeções de oferta e demanda para 2005, com estimativa de ligeira elevação no consumo doméstico, e queda na produção e exportação, em relação a suas próprias previsões de julho. A projeção inicial de exportação no ano que vem previa embarque de 600 mil toneladas. O embarque previsto para 2004 até maio/junho era de 410 mil toneladas, com algumas apostas informais de que o País embarcaria 450 mil toneladas até dezembro. Confira os números da Anea: -------------------------------------------- 2004 2005 jul ago jul ago -------------------------------------------- Estoque Inicial 290 290 465 460 Produção 1.260 1.260 1.335 1.300 Consumo Interno 840 840 870 880 Exportação 360 360 540 510 Importação 115 110 70 70 Estoque Final 465 460 460 440 -------------------------------------------- (João Baumer, fim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.