Alimentos pressionam inflação semanal e índice sobe 0,16%

Classe Alimentação saiu do terreno negativo e subiu 0,03% no período; mais cinco classes do IPC-S tiveram alta, diz FGV

Beatriz Bulla, da Agência Estado,

23 de agosto de 2013 | 08h21

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) apresentou alta de 0,16% na terceira quadrissemana de agosto, informou nesta sexta-feira, 23, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado é 0,11 ponto porcentual acima do registrado na leitura imediatamente anterior, quando o indicador apresentou variação de 0,05%.

Das oito classes de despesas analisadas, seis apresentaram acréscimo em suas taxas de variação: Alimentação (-0,08% para 0,03%), Vestuário (-0,68% para -0,21%), Transportes (-0,25% para -0,10%), Educação, Leitura e Recreação (0,32% para 0,51%), Habitação (0,30% para 0,33%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para 0,43%). O grupo Comunicação repetiu a taxa de variação registrada na última apuração, de 0,11%. Apenas o grupo Despesas Diversas registrou decréscimo em sua taxa de variação, ao sair de 0,19% para 0,11% no período.

Desde o início de agosto, o grupo Alimentação vem apresentando acréscimos em sua taxa de variação no IPC-S. Na terceira prévia do mês, a classe de despesa saiu do terreno negativo e passou para o positivo, ao deixar variação de -0,08% na segunda leitura do mês e ir para 0,03%. O grupo foi a principal contribuição para o resultado geral do IPC-S, com destaque ao comportamento do item frutas (de -3,83% para -2,00%).

Mais cinco grupos, dos oito analisados, contribuíram para o avanço no indicador. Em Vestuário (de -0,68% para -0,21%), a pressão veio de roupas, que diminuíram a queda de -1,25% para -0,58%. Já o grupo Transportes (-0,25% para -0,10%) foi pressionado pela tarifa de ônibus urbano (-0,81% para 0,03%) e Educação, Leitura e Recreação (0,32% para 0,51%) teve como destaque o comportamento do item passagem aérea (-1,35% para 6,36%). Em Habitação, o destaque foi tarifa de eletricidade residencial (0,04% para 0,38%) e em Saúde e Cuidados Pessoais (0,38% para 0,43%) foram os artigos de higiene e cuidado pessoal (0,47% para 0,75%).

Apenas o grupo Despesas Diversas apresentou decréscimo em sua taxa de variação, de 0,19% para 0,11%, com destaque para o item serviço religioso e funerário (de 0,68% para 0,24%). O grupo Comunicação repetiu a variação apresentada na segunda prévia do mês, de 0,11%, com influência positiva de pacotes de telefonia fixa e internet (-0,40% para -0,27%) e negativa de mensalidade para internet (-0,22% para -0,49%).

Principais contribuições

A lista de maiores influências positivas no indicador da terceira quadrissemana do mês é composta por leite tipo longa vida (de 6,06% para 4,94%), refeições em bares e restaurantes (de 0,47% para 0,58%), plano e seguro de saúde (de 0,65% para 0,67%), show musical (de 3,09% para 5,33%) e aluguel residencial (de 0,58% para 0,55%).

Já entre as maiores pressões negativas estão cebola (de -28,06% para -31,57%), tomate (de -25,24% para -16,06%), batata-inglesa (de -8,68% para -10,08%), feijão carioca (de -7,67% para -7,50%) e banana-prata (de -6,16% para -5,41%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoFGValimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.