ALL e Triunfo decidem encerrar projeto Vetria Mineração

A ALL e a Triunfo Participações decidiram descontinuar o projeto de criação da produtora integrada de minério de ferro Vetria Mineração, desfazendo um plano lançado em 2011 que previa investimento de mais de 11 bilhões de reais.

REUTERS

10 Dezembro 2014 | 20h07

A decisão pelo encerramento ocorreu diante da contínua queda dos preços do minério de ferro nos mercados internacionais.

"Considerando as condições de mercado e perspectivas atuais, especialmente no que diz respeito aos níveis de preço praticados para o minério de ferro, as partes decidiram encerrar o contrato de associação", disseram as empresas em comunicado ao mercado.

O preço do minério de ferro na Ásia atingiu um pico de quase 200 dólares por tonelada em 2011. Mas, atualmente, a commodity está sendo negociada abaixo do patamar de 70 dólares, pressionada pela desaceleração da economia chinesa, maior consumidora do produto.

A criação da Vetria foi anunciada em dezembro de 2011. A empresa seria formada por 50,4 por cento de participação da ALL, 15,8 por cento da Triunfo e 33,8 por cento dos acionistas da mineradora brasileira Vetorial, que atua no Mato Grosso do Sul.

Representantes da Vetorial informaram que a companhia não vai comentar o assunto além das informações divulgadas no comunicado enviado ao mercado.

O objetivo do projeto era criar um sistema integrado com mina da Vetorial em Corumbá (MS), logística ferroviária por meio de um contrato operacional de longo prazo com a ALL e um terminal privado em Santos (SP).

Segundo ALL e Triunfo, os contratos de arrendamento de direitos minerários firmados com a MMX Corumbá Mineração e de opção de compra da totalidade das ações da MMX Corumbá, que faz fronteira com a Vetorial, foram integralmente cedidos para a Vetorial Siderurgia.

O arrendamento dos direitos inclui uma unidade de beneficiamento de minério com capacidade para 2 milhões de toneladas anuais.

(Por Juliana Schincariol)

Mais conteúdo sobre:
COMMODSALLTRIUNFOVETRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.