Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Alta do dólar vai provocar aumento de tarifas aéreas, diz Azul

Para presidente da companhia, valor da moeda americana dificilmente voltará a ficar na casa dos dos R$ 1,57

Altamiro Silva Junior e Suzana Inhesta, da Agência EstadoS,

30 de setembro de 2011 | 15h58

O presidente da companhia aérea Azul, Pedro Janot, prevê alta nos preços das passagens aéreas como reflexo da disparada do dólar nos últimos dias. "É natural que a estrutura da aviação civil busque equiparar as tarifas a este novo impacto de custo", disse ele. O executivo avalia que é difícil que a moeda americana volte ao patamar anterior a alta, na casa dos R$ 1,57.

O executivo preferiu não citar quanto dos custos da Azul são atrelados ao dólar. "No geral, só os combustíveis (que são comprados em dólar) respondem por 40% dos custos das companhias aéreas", disse ele, ressaltando que o preço do petróleo não esta cedendo.

Com a guerra das tarifas, liderada por Gol e TAM, os preços atuais das passagens de avião estão em torno de 30% mais baratos que os praticados em 2008. "Mas já há um movimento de ajuste do setor", disse Janot.

Além do combustível, o executivo ressaltou outros custos em dólar das companhias aéreas, como o leasing das aeronaves. Segundo ele, a Azul faz hedge de suas posições na moeda norte-americana.

Terminais privativos

 A Azul vai sugerir que seja incluído no edital de privatização dos aeroportos que as companhias aéreas possam ter terminais privativos em aeroportos. "Não queremos operar o aeroporto todo, mas termos nosso próprio terminal", disse Janot.

A Azul vai fazer a sugestão na audiência publica do edital de privatização dos aeroportos de Guarulhos, Brasília e Viracopos. O leilão deve ocorrer em dezembro e a minuta do edital publicada hoje.

Segundo Janot, nos Estados Unidos é comum as companhias aéreas terem seus próprios terminais. Todas as áreas, desde o saguão e o estacionamento, são sinalizadas com as marcas da empresa. "As companhias precisam cuidar do seu core business (negócio principal) e não explorar todo o aeroporto, mas terem seu terminal", disse ele.

Voos internacionais

O presidente da Azul disse que a companhia pretende fazer voos internacionais a partir de 2012 ou quando Viracopos se tornar oficialmente o segundo aeroporto internacional de São Paulo.

Sobre a abertura de capital da Azul, Janot disse que a companhia está preparada para a operação, mas que é questão de esperar o melhor momento. A Azul terminará o ano com mais de 50 aeronaves. Hoje a frota é de 40.

Janot participa hoje do Exame Fórum 2011 - A construção de um Brasil competitivo.

Tudo o que sabemos sobre:
azulaereasaltadolar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.