Alta excessiva de salários pode ser repassada aos preços, diz diretor do BC

'Não estamos afirmando que excessos estão ocorrendo ou não. Estamos alertando que se houver um excesso, o risco é o repasse para os preços', disse o diretor de política econômica do Banco Central

Fabio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

30 de setembro de 2010 | 11h56

O diretor de política econômica do Banco Central, Carlos Hamilton de Araújo, afirmou que aumentos excessivos de salários podem levar ao risco de repasse nos preços. "É importante que os reajuste salariais ocorram em linha com ganhos de produtividade", disse Hamilton em entrevista para explicar o Relatório Trimestral de Inflação, divulgado nesta manhã pela autoridade monetária.

Ele não quis afirmar se esse fenômeno já estaria ocorrendo e alegou que o BC não tem medidas para calcular os ganhos de produtividade. Questionado sobre como o BC saberia se excessos estariam ou não ocorrendo, Hamilton salientou que o foco da autoridade monetária é no preço dos produtos. "Não estamos afirmando que excessos estão ocorrendo ou não. Estamos alertando que se houver um excesso, o risco é o repasse para os preços", disse o diretor, salientando que a margem de ociosidade no mercado de trabalho é muito baixa.

De qualquer forma, Hamilton ponderou que o aumento dos salários é importante para a economia brasileira e para o bem-estar da população. Em sua apresentação, ele destacou que o Copom avalia que se reduziram os riscos para concretização de um cenário inflacionário benigno, por causa da reversão dos estímulos monetários e fiscais e também da desaceleração da atividade nas três principais economias do mundo. Também disse que existem risco de alta da inflação no curto prazo, derivados principalmente dos preços dos alimentos.

O diretor ponderou ainda que, a despeito de haver muitas incertezas nos ambientes externo e doméstico, o cenário do BC é de convergência da inflação para o valor central da meta, mas reiterou a afirmação do relatório de que caso a inflação não convirja tempestivamente para esse valor central, a política monetária deve atuar para garantir o alcance desse alvo. 

Commodities

Araújo avalia que parte do recente aumento dos preços das commodities agrícolas "ainda está para ser transmitida aos preços ao consumidor nos próximos trimestres". Segundo ele, essas commodities têm apresentado "comportamento diferenciado" em relação a outros preços como as commodities energéticas e metálicas. A elevação recente dos itens agrícolas é, para Hamilton, "um risco de curto prazo para os preços de alimentos".

Durante entrevista sobre o relatório de inflação de setembro, o diretor do BC afirmou que o repasse dos aumentos ao consumidor acontece com uma defasagem de três a seis meses. Para 2011, ele afirmou ainda ser cedo para fazer prognósticos. "Temos de aguardar um pouco. As commodities agrícolas não mostram uma tendência. Às vezes sobem rapidamente e às vezes recuam. Temos que aguardar para ver em que medida os movimentos vão continuar ou não nos próximos trimestres". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.