Alvarez nega que Oi seja a operadora do PNBL

O coordenador do Programa de Inclusão Digital do governo federal, Cezar Alvarez, desmentiu informações publicadas na imprensa de que a Oi seria a operadora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). "É evidente que a Oi, com a capacidade e a capilaridade que tem de injeção de novos recursos, tem um potencial de contribuição para a democratização das telecomunicações, em preço e qualidade, num patamar diferenciado", afirmou.

KARLA MENDES, Agencia Estado

24 de agosto de 2010 | 18h10

Ele observou, no entanto, que isso não torna a Oi a operadora do plano. "É claro que o conjunto das contribuições para o papel das operadoras, sejam elas fixas, sejam prestadoras de serviço móvel, é absoluto e total. Estamos discutindo com o conjunto das operadoras bilateralmente", ressaltou Alvarez. Ele reconheceu que há "controvérsias fortes" entre as diferentes empresas, mas destacou que há espaço para estabelecer um patamar de diálogo.

Entre os desafios para a expansão da banda larga, Alvarez destacou a necessidade de se avançar na oferta do "plano incentivado", fazendo menção ao projeto de banda larga popular, nos termos do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que isentou a cobrança de ICMS para a oferta do serviço. "Encontrando o nó desse problema, creio que ele é uma chave de abertura para outras ações", destacou ele, durante o 2º Fórum Brasil Conectado, que acontece de hoje a quinta-feira, em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.