efe
efe

Amazon enfrenta greve na Alemanha

Empresa norte-americana de vendas online emprega 9 mil funcionários em nove centros de distribuição na Alemanha, seu segundo maior mercado depois dos Estados Unidos

Reuters

22 de setembro de 2014 | 09h06


BERLIN - Os trabalhadores de armazéns alemães da varejista online Amazon.com entraram em greve novamente nesta segunda-feira, 22, com o sindicato fazendo pressão por suas demandas em uma longa disputa sobre salários e melhores condições de trabalho.

O sindicato disse em comunicado que convocou os trabalhadores à greve nos centros de distribuição em Bad Hersfeld, Leipzig, Graben e Rheinberg. O sindicato havia convocado em junho greves em três desses locais.

A empresa norte-americana emprega um total de 9 mil funcionários em nove centros de distribuição na Alemanha, seu segundo maior mercado depois dos Estados Unidos, além de 14 mil trabalhadores sazonais.

O sindicato quer que a Amazon aumente o salário para os trabalhadores em seus centros de distribuição em conformidade com acordos coletivos de trabalho dos setores de correspondência e indústria de varejo na Alemanha, tendo organizado várias interrupções ao longo do ano passado.

A Amazon, no entanto, tem rejeitado o pedido, argumentando que trata os funcionários dos centros de distribuição como trabalhadores de logística e que eles recebem salário acima da média para os padrões dessa indústria.

Tudo o que sabemos sobre:
Amazon

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.