Ambev avança em receita na América Latina Sul

Na América Latina Sul (LAS - ex-Quinsa), região que engloba operações da Ambev na Argentina, Bolívia, no Paraguai, Uruguai e Chile, a companhia continua apresentando avanço em receita e queda em volume. A queda da indústria na Argentina foi novamente a principal causa dos volumes negativos, principalmente em março, apesar do desempenho de abril já ter demonstrado uma boa melhora.

SUZANA INHESTA, Agencia Estado

30 de abril de 2013 | 09h01

A receita líquida da unidade avançou 13,3%, para R$ 1,745 bilhão, enquanto os volumes recuaram 10,2%, para 9,825 milhões de hectolitros. Somente de cerveja, a queda em volume foi de 9% e o aumento de receita, 17%. Em refrigerantes e bebidas não alcoólicas, o recuo em volume foi de 12% e o incremento de receita, 4,6%.

"A participação de mercado, por outro lado, teve bom desempenho com nossos lançamentos de inovações de 2012 (Quilmes 1890, Quilmes Night e Stella Artois Noire) entregando resultados excelentes até o momento", ressaltou a companhia, no documento. O Ebitda ajustado da unidade foi de R$ 784,9 milhões, alta de 14,6%, com margem de 45%, aumento de 0,6 ponto porcentual.

Hila-ex

Com a incorporação da Cervecería Nacional Dominicana (CND), cujo controle (51%) foi adquirido em meados de abril do ano passado, as operações da Ambev na região Hila-ex (Guatemala, Peru, República Dominicana, Equador, Nicaragua, El Salvador, Dominica, Antigua e St. Vicent) apresentaram crescimento tanto em volume quanto em receita no primeiro trimestre. A receita líquida cresceu 369,5%, passando de R$ 59,5 milhões para R$ 279,5 milhões e o volume aumentou 120,3%, passando de 565,7 mil hectolitros para 1,246 milhão de hectolitros. Somente de cerveja, o aumento do volume foi de 200% e em refrigerantes de bebidas não-alcoólicas, 14,3%.

"Os volumes reportados mais que dobraram devido à aquisição na República Dominicana. Com os doze primeiros meses de integração chegando ao fim, nosso foco passará a ser explorar os atributos fortes da marca Presidente para crescer a categoria de cervejas por meio de inovação e volumes premium", afirmou a empresa em relatório.

O Ebitda ajustado ficou em R$ 67,8 milhões ante resultado negativo de R$ 16,9 milhões do primeiro trimestre do ano passado. A margem Ebitda ajustada ficou em 24,3% no período.

Canadá

As operações da Ambev no Canadá/Labatt segue apresentando avanço em receita líquida e queda em volume, em linha com o esperado pelo mercado. Os itens vendidos no primeiro trimestre somaram 1,819 milhão de hectolitros, queda de 3% ante o 1,874 milhão de hectolitros comercializado no mesmo período de 2012. "A queda de 3% no volume foi provocada principalmente pelo declínio da indústria, com uma participação média nossa de mercado de 40,6%", explicou a empresa, em relatório de resultados.

A receita líquida da unidade somou R$ 802,2 milhões, alta de 10% ante a de R$ 729 milhões do primeiro trimestre de 2012. O Ebitda ajustado teve leve recuo de 0,5%, para R$ 246,3 milhões, com margem Ebitda ajustada de 30,7%, depreciação de 3,3 pontos porcentuais. "O desempenho de nossas marcas entre as cervejas light, com a Bud Light continuando a apresentar resultados positivos de participação de mercado, bem como o impacto de inovações (como o lançamento da Bud Light Platinum), nos ajudaram a manter nossa posição de liderança no mercado canadense", ressaltou a Ambev.

C

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.