Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Ambev tem lucro líquido de R$ 3,55 bilhões, acima das expectativas do mercado

Em relação à média das projeções do serviço Prévias Broadcast, lucro da gigante das bebidas superou previsões em 42%

Beth Moreira e Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2022 | 11h59

O lucro líquido ajustado de R$ 3,55 bilhões registrado pela Ambev no primeiro trimestre de 2022 ficou 42% acima da média das projeções compiladas pelo serviço Prévias Broadcast, que apontava para um lucro ajustado de R$ 2,5 bilhões. O levantamento levou em conta números do Bank of America, BTG Pactual, Credit Suisse e XP.

O Ebitda ajustado de R$ 5,52 bilhões apurado pela empresa nos primeiros três meses do ano, por sua vez, ficou em linha com a média das projeções, de R$ 5,3 bilhões. A receita líquida da Ambev no primeiro trimestre, de R$ 18,44 bilhões, também ficou dentro do esperado, considerando a média das projeções compiladas.

O Broadcast considera que o resultado está em linha com as projeções quando a variação para cima ou para baixo é de até 5%.

Reação

A Ambev iniciou 2022 com resultados alinhados, em um trimestre marcado pela consistência da estratégia de recuperação de volume de negócios da companhia, avalia o BTG Pactual, que chama atenção para o crescimento de 3,6% do volume em comparação com igual trimestre do ano passado, 4% acima das estimativas do banco.

“O segmento Cerveja Brasil teve um forte crescimento de volume de 2%, superando comparações difíceis e uma indústria volátil, com segmentos premium e core  (principais marcas) ganhando terreno – possivelmente com alguma ajuda da perda de participação de Petrópolis”, escrevem os analistas Thiago Duarte e Henrique Brustolin.

Ainda de acordo com o BTG, o foco cada vez maior da Ambev no crescimento do volume de negócios continua a dar frutos. “Dito isso, a criação de valor permanece limitada, uma vez que o volume é parcialmente alimentado por segmentos de cerveja de baixo preço e se traduz em crescimento abaixo da inflação e abaixo da indústria”, explicam os analistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.