Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Ambev registra queda nas vendas de cerveja e ações chegam a cair 7%

Empresa registrou queda de 3,1% no volume de cerveja vendido no Brasil, pior do que o desempenho médio da indústria

Luana Pavani e Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

25 de outubro de 2018 | 10h53

Com o balanço do terceiro trimestre impactado por vendas menores no Brasil e inflação na Argentina, Ambev ON cedia 7,24% na manhã desta quinta-feira, 25, enquanto o Ibovespa subia 0,68%, aos 83.626 pontos. Em relatório, o analista do Goldman Sachs, Luca Cipiccia, avaliou como "decepcionantes" os resultados da companhia, ressaltando que o cenário no Brasil segue desafiador. Segundo ele, o desempenho na Argentina foi o principal ponto fraco do período.

Mais cedo, a Ambev registrou no terceiro trimestre lucro atribuído ao controlador de R$ 2,831 bilhões. O resultado se compara a R$ 200 mil registrados em igual período do ano passado, quando o resultado havia sido afetado por uma provisão para o Programa Especial de Regularização Tributária (PERT). O lucro líquido ajustado foi de R$ 2,907 bilhões, queda de 10,2% sobre o mesmo período do ano passado, quando era de R$ 3,236 bilhões. 

A receita liquida consolidada caiu 2,6% para R$ 11,063 bilhões, de R$ 11,362 bilhões no terceiro trimestre de 2017. Excluindo efeitos de câmbio, a receita cresceu 5,8% no critério orgânico.

Queda na venda de cervejas

A Ambev registrou queda de 3,1% no volume de cerveja vendido no Brasil no terceiro trimestre de 2018 em comparação com igual período do ano anterior. O resultado, de acordo com a companhia, foi pior do que o desempenho médio da indústria de cerveja. O setor como um todo recuou 2,5% no trimestre, disse a fabricante.

Com a queda, a Ambev atingiu 17,912 milhões de hectolitros vendidos no País entre julho e setembro. O recuo nos volumes da Ambev era esperado pelo mercado em razão de a companhia ter implementado um reajuste de preços no terceiro trimestre. Esse aumento de preços permitiu o crescimento da receita líquida mesmo diante da menor venda.

A receita da Ambev com cerveja no Brasil aumentou 1,3% entre julho e setembro na comparação com os mesmos meses de 2017, atingindo, R$ 5,256 bilhões. Já a receita por hectolitro aumentou 4,6%, ficando em R$ 293,5.

A companhia reportou ainda elevação de custos no negócio de cerveja no Brasil. O Custo do Produto Vendido por hectolitro cresceu 3,4% na comparação anual, chegando a R$ 107. A Ambev afirmou que a alta de custo ocorreu porque "o câmbio favorável foi impactado pela inflação e pelos preços mais altos das commodities, especialmente do alumínio".

Refrigerantes também recuam

Já as vendas de refrigerantes e outras bebidas não-alcoólicas no Brasil recuaram 3,9% em volume no trimestre, atingindo 5,940 milhões de hectolitros.

A receita desses produtos também cresceu na comparação anual em razão de um reajuste de preços implementado no final de 2017. A companhia teve faturamento 7% maior com não-alcoólicos, chegando a R$ 904 milhões. A receita por hectolitro aumentou 11,3%, para R$ 152,2.

Nesta divisão de negócios os custos caíram na comparação anual. O Custo do Produto Vendido por hectolitro recuou 25,4%, chegando a R$ 58,3.

Considerando as duas unidades, de cerveja e bebidas não-alcoólicas, a Ambev registrou crescimento de 2,1% na receita líquida no Brasil, a qual atingiu R$ 6,160 bilhões. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no País aumentou 11,1% na comparação anual, chegando a R$ 2,641 bilhões e com margem de 42,9%, 3,5 ponto porcentual mais elevada que no mesmo período de 2017.

Empresa quer acelerar crescimento do Ebitda no Brasil

A Ambev reiterou em suas perspectivas para 2018 que acredita na aceleração do crescimento do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no Brasil. "Permanecemos otimistas quanto às perspectivas de longo prazo no País, na medida em que vemos diversas oportunidades à nossa frente e estamos bem posicionados com um forte portfólio para capitalizar sobre essas oportunidades", afirma a mensagem da administração que acompanha o relatório de resultados.

A companhia reforçou ainda sua visão de que a divisão de não-alcoólicos no Brasil deve apresentar elevação no Custo do Produto Vendido por hectolitro (CPV/hl). A empresa afirma que o crescimento deve ser de um dígito médio no ano, excluindo a depreciação e amortização.

Mais conteúdo sobre:
Ambevcerveja

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.