Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Ambev tem lucro líquido de R$ 2,5 bi no 1º trimestre, alta de 13,4%

Receita da companhia no Brasil teve queda de 1,8% no primeiro trimestre de 2018 em comparação com igual período do ano passado

Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

09 Maio 2018 | 08h28

A fabricante de bebidas Ambev reportou um lucro líquido de R$ 2,597 bilhões no primeiro trimestre de 2018, alta de 13,4% na comparação com o mesmo período do ano anterior.  Já o lucro atribuído à participação dos controladores  foi  de R$ 2,516 bilhões no primeiro trimestre de 2018, alta de 14,4% na mesma base de comparação.

+ Multinacionais da indústria de alimentos compram marcas locais

O lucro líquido de R$ 2,516 bilhões atribuído à participação dos controladores da Ambev no primeiro trimestre de 2018 ficou abaixo das estimativas do mercado. O resultado foi 14% menor do que a média das estimativas de cinco instituições financeiras consultadas pelo Prévias Broadcast (BB Investimentos, BTG Pactual, JPMorgan, Morgan Stanley e Santander), a qual apontava para lucro de R$ 2,952 bilhões.

+ Justiça exige que rótulo de cerveja liste ingredientes

Em relatório de resultados, a administração da companhia também informou o lucro liquido ajustado a itens não recorrentes. No primeiro trimestre, o lucro ajustado somou R$ 2,610 bilhões, expansão de 12,7%.

+ Autoridades argentinas aprovam acordo entre AB InBev e Quilmes

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado consolidado cresceu 6,5%, totalizando R$ 4,638 bilhões de janeiro a março. O ajuste exclui efeitos de itens não recorrentes. No primeiro trimestre, a receita líquida da companhia somou R$ 11,640 bilhões, expansão de 3,5% na comparação anual.

A Ambev registrou uma queda de 1,8% na receita líquida no Brasil no primeiro trimestre de 2018 em comparação com igual período do ano passado. O resultado chegou a R$ 6,180 bilhões no País. O recuo foi consequência de uma piora nos volumes vendidos e na receita líquida de suas duas divisões de negócios no Brasil: a de cerveja e a de refrigerantes e bebidas não-alcoólicas.

Em cerveja, a receita recuou 1% na comparação anual, chegando a R$ 5,315 bilhões. A retração foi mais suave que a queda de 8,1% ocorrida nas vendas em volume de bebida. Isso ocorreu em razão do aumento de preço implementado pela companhia no terceiro trimestre de 2017. Ao todo, a Ambev vendeu no País 18,879 milhões de hectolitros de cerveja entre janeiro e março.

A Ambev afirmou que a indústria de cerveja teve um desempenho fraco no trimestre. Segundo a companhia, o setor teve uma contração "entre um dígito baixo e um digito médio". As vendas de cerveja no Brasil foram afetadas pelo efeito de o Carnaval ocorrer mais cedo este ano e por um clima considerado desfavorável. Além disso, a empresa afirmou que enfrenta "uma difícil base de comparação", porque, segundo a Ambev, a companhia superou o desempenho da média da indústria no primeiro trimestre de 2017.

O Custo do Produto Vendido (CPV) de cerveja no Brasil caiu 10,9% no trimestre, para R$ 1,882 bilhão, enquanto o CPV por hectolitro caiu 3,1%, para R$ 99,7.

Refrigerantes. Já o negócio de refrigerantes e bebidas não alcoólicas teve uma queda de 19,4% nas vendas em volume no primeiro trimestre de 2018 ante o mesmo período de 2017. O volume total chegou a 5,595 milhões de hectolitros.

A companhia afirmou que a indústria de refrigerantes "ainda está sendo impactada por um baixo gasto discricionário". A companhia estima que o setor tenha contraído um dígito médio no primeiro trimestre de 2018. Além disso, segundo a Ambev, o resultado da empresa havia sido mais forte no primeiro trimestre de 2017, período em que a companhia alega ter tido desempenho superior à média da indústria.

A receita líquida do negócio de refrigerantes e não alcoólicos caiu 6,4% no período, para R$ 864,8 milhões. O CPV recuou 15,2%, chegando a R$ 466,6 milhões.

Mais conteúdo sobre:
Ambev

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.