Taba Benedicto/Estadão - 25/6/2020
Taba Benedicto/Estadão - 25/6/2020

Ambipar investe R$ 100 milhões em unidade de reciclagem no Chile

Empresa de serviços ambientais, que fez 28 aquisições somente em 2021, dá novo passo em sua expansão internacional

André Jankavski, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2022 | 05h00

A empresa de gestão ambiental Ambipar segue investindo para ampliar a sua participação além do Brasil. A companhia, por meio do seu braço Ambipar Enviromental Latam, separou US$ 18 milhões (cerca de R$ 100 milhões) para a construção de uma unidade de classificação, pré-tratamento e reciclagem de resíduos em Santiago, capital do Chile. Com capacidade de processar até 60 mil toneladas de materiais por ano, será o segundo maior empreendimento de toda a operação da Ambipar.

Segundo Matias Lagos, presidente da Ambipar Environmental Latam, o negócio vinha sendo planejado há mais de dois anos, quando a operação no país ainda era tocada pela Disal, companhia que foi adquirida pela Ambipar em junho do ano passado. 

O negócio tem potencial para ser um dos mais rentáveis da empresa, já que a Ambipar enxerga um faturamento potencial de US$ 8 milhões ao ano no projeto batizado de GIRI, sendo que a margem Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) pode chegar a 70%. A título de comparação, a margem da Ambipar como um todo foi de 26,8% nos nove primeiros meses de 2021.

“A margem é muito interessante, pois ainda não há muita concorrência no Chile e essa vai ser a primeira planta dessa categoria no país. É o início da industrialização da reciclagem no Chile”, afirma Lagos.

Lagos aponta que o investimento será um dos mais altos já feitos pela Ambipar. A ideia é que a unidade esteja em operação em janeiro de 2023 com 100% de sua capacidade disponível. Porém, o executivo diz acreditar que somente em 2024 haverá demanda para isso.

O otimismo para um retorno rápido se explica por causa da publicação da Lei de Responsabilidade Estendida do Produtor (REP, na sigla em espanhol), que vai obrigar as empresas a reciclarem parte dos seus resíduos nos próximos anos. “As companhias precisam reciclar 20% das suas embalagens no primeiro ano, 25% no segundo, 35% no terceiro e isso vai aumentando. Por isso, talvez vamos precisar de uma nova planta para dar conta da demanda”, afirma Lagos.

Investimentos

A Ambipar tem feito uma série de investimentos e aquisições em série desde o seu processo de abertura de capital (IPO), realizado em julho de 2020. De lá para cá, a empresa controlada por Tércio Borlenghi Junior fez nada menos do que 34 aquisições, sendo 28 ao longo do ano passado. 

Mais recentemente, também vem mostrando mais sua marca ao mercado. A modelo brasileira Gisele Bündchen, conhecida pela defesa das causas ambientais em fóruns globais de discussão, tornou-se acionista minoritária da companhia em setembro do ano passado. Ela também se tornou uma espécie de rosto da companhia para campanhas publicitárias.

O executivo da Ambipar Environmental Latam afirma que outros projetos como o da unidade estão sendo estudados não só no Chile, mas em outros países, como Peru, Paraguai e no Brasil. Além disso, a Ambipar está em conversas com 15 companhias visando a aquisições, sendo que três delas estão em fase avançada, de acordo com Lagos. 

Desde a sua abertura de capital (IPO, na sigla em inglês), a Ambipar chegou a ver as suas ações mais do que dobrarem de valor, mas, com o mau momento do mercado de capitais no Brasil, os papéis despencaram. Do pico alcançado em agosto de 2021, o valor de mercado da empresa recuou quase 50% até o momento. Mesmo assim, o saldo é positivo em 20% desde a estreia na Bolsa

Por conta disso, a empresa chegou a suspender o IPO da sua subsidiária Environmental ESG, que deveria ter ocorrido no fim do ano passado. Mesmo com o contratempo, os analistas de mercado seguem animados com o futuro do negócio na Bolsa de Valores. 

O BTG Pactual, por exemplo, tem recomendação de compra para a Ambipar e enxerga um potencial de valorização de 58% dos papéis, tendo como referência o preço do fechamento de ontem. 

De acordo com relatório assinado pelos analistas João Pimentel e Gisele Gushiken, a empresa tem mostrado um forte crescimento tanto via aquisições quanto orgânico. “Nós esperamos que a tendência continue, assim como vemos outras diversas oportunidades de fusões e aquisições para a Ambipar”, disseram.

Apelo ambiental: entenda os passos da Ambipar

  • Máquina de compras:

A Ambipar tem acelerado a aquisição de empresas desde que abriu seu capital, em 2020. Foram 34 compras até agora, sendo 28 só em 2021; e há 15 outras empresas na mira.

  • Investimento:

A nova usina de reciclagem em Santiago é pioneira no país e terá um investimento de cerca de R$ 100 milhões, com capacidade de processar até 60 mil toneladas/ano a partir de 2023. A receita estimada é de US$ 8 milhões anuais.

  • Internacionalização:

A aposta no Chile está ligada à provável demanda gerada pela nova legislação local de responsabilidade ambiental das empresas, que prevê uma crescente taxa de reciclagem das embalagens.

  • Garota-propaganda:

A top model Gisele Bündchen virou acionista minoritária da Ambipar em setembro e se tornou o “rosto” da empresa em campanhas publicitárias.

  • Valorização:

Apesar de queda recente, as ações Ambipar acumulam alta de 20% desde o IPO.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.