Ambipar/Divulgação
Ambipar/Divulgação

Ambipar lança loja própria de produtos reciclados

Os produtos vendidos incluem luminárias de alumínio e plástico PET reciclados, shampoo e condicionador feitos das sobras de colágeno da indústria farmacêutica, e o eco álcool feito de rejeitos de açúcar, milho e arroz.

Luísa Laval, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2022 | 12h01

A companhia de gestão ambiental Ambipar anunciou nesta segunda-feira, 18, o lançamento da Universo Ambipar, empresa focada em levar até os consumidores finais produtos de uso diário de longa duração, desenvolvidos principalmente com materiais reciclados dos resíduos de indústrias clientes da Ambipar Environment ESG, e também da sua operação de pós-consumo. Os itens serão vendidos por meio da sua loja física e do seu comércio eletrônico. 

 "A missão da Universo Ambipar é acelerar a propagação da economia circular na vida diária das pessoas, e assim contribuir na redução gradual de emissões de carbono. Disseminando informações sobre sustentabilidade, a Universo propõe o consumo consciente com uma linha de produtos domésticos com design e aderentes as boas práticas desde a matéria-prima utilizada até a relação com fornecedores, parceiros comerciais e o público em geral", afirma a companhia, em comunicado ao mercado.

A nova empresa possui uma linha de produtos como luminárias de alumínio e plástico PET reciclados, coletado pelo Grupo, e produtos desenvolvidos no laboratório da Ambipar em Nova Odessa como o shampoo e condicionador feitos das sobras de colágeno da indústria farmacêutica, o eco álcool feito de rejeitos de açúcar, milho e arroz.

Na sua linha têxtil, a Universo busca mostrar as possibilidades do uso da tecnologia em matérias-primas sustentáveis como tecidos de casca de banana, amido de milho e plástico biodegradável.

Como parte do Grupo Ambipar, que por meio do aplicativo Ambify criou uma solução para que indústrias e pessoas físicas compensem sua pegada de carbono, todos os produtos da Universo são totalmente neutralizados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.