Amec não vê prejuízo para acionista da Sadia/Perdigão

Presidente da Associação afirma, porém, que formato da operação de união pode não ter sido o mais adequado

Stella Fontes, da Agência Estado,

29 de maio de 2009 | 15h50

O presidente da Associação de Investidores do mercado de Capitais (Amec), Walter Mendes, disse nesta sexta-feira, 29, que a entidade avalia que não há, "aparentemente", prejuízo econômico aos acionistas de Sadia e Perdigão em razão da associação das duas companhias. A associação realizou na quinta-feira a primeira discussão a cerca do negócio. "A Amec não vê de forma clara se há prejuízo ao acionista minoritário", afirmou Mendes, que participou nesta sexta de almoço comemorativo dos três anos de existência da Amec.

 

Veja também: 

especialEspecial sobre a fusão entre Perdigão e Sadia

especialLinha do tempo das empresas

especialO tamanho das empresas e seus desafios no exterior 

 

Conforme o executivo, o único ponto que chamou a atenção da entidade foi o formato da operação. "Talvez não tenha sido o mais adequado", disse, acrescentando que os advogados da Amec estão analisando o negócio e devem apresentar um parecer com a avaliação final da entidade. "A partir desse documento saberemos se há elementos suficientes para um pronunciamento", disse, reiterando que aparentemente não houve prejuízo aos acionistas.

 

A segunda reunião da Amec para discutir a operação entre Sadia e Perdigão deve ocorrer na terceira quinta-feira de junho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.