América Latina espelhará operação do Brasil, diz Itaú

O Itaú BBA quer ser um player local em todos os países que atua da América Latina, de acordo com Carlos Maggioli, codiretor de equity do banco e responsável pela expansão da corretora do BBA na região. "A nossa estratégia na América Latina será a mesma em todos os países e espelhará a operação que temos no Brasil", afirmou ele.

ALINE BRONZATI, Agencia Estado

16 de abril de 2014 | 13h33

De acordo com o executivo, haverá uma integração entre as estratégias adotadas em cada país da América Latina. No México, conforme ele, o BBA deverá negociar exclusivamente ações em sua corretora. Maggioli participou nesta quarta-feira, 16, de evento do Itaú BBA, em São Paulo, sobre macroeconomia.

México

O Itaú BBA aguarda obter até o fim deste ano as autorizações regulatórias necessárias para iniciar a operação da sua corretora no México já em 2015, segundo Carlos Maggioli. Faltam aprovações, conforme ele, não só do banco central brasileiro e também do mexicano, mas ainda do regulador do mercado de capitais local, a "CVM" do México.

"Vamos iniciar as contratações no segundo semestre deste ano. A operação no México será similar a do Chile", disse Maggiolo, em conversa com jornalistas.

Atualmente, o BBA conta com seis pessoas no México e deve somar 15 após as contratações previstas, de acordo com o executivo. Embora as corretoras no Chile e México tenham estrutura "similar", Maggioli explicou que a operação no México é menos complexa uma vez que não inclui um banco de varejo como no Chile. "No México teremos apenas uma corretora", frisou o executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
Itau BBAAmérica Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.