DENNY CESARE/ESTADÃO - 19/11/2021
DENNY CESARE/ESTADÃO - 19/11/2021

Empresária comanda fabricante de materiais de construção que deve faturar R$ 1 bi pela 1ª vez

Ana Oliva assumiu em 2013 a presidência da Astra, empresa fundada por seu avô em 1957 e que é dona da marca Japi, e agora se prepara para inaugurar a primeira loja própria

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2021 | 05h00

Aos 4 anos, Ana Oliva visitou pela primeira vez com o avô, Francisco, as instalações da Astra - empresa de material de construção por ele fundada em 1957 e hoje comandada por ela. De certa forma, a companhia “pulou” uma geração de comando. Embora a mãe e as tias de Ana tenham passado pela companhia ao longo do tempo, ninguém da segunda geração chegou ao cargo principal: o de presidente do conselho. Quando Francisco Oliva morreu, em 2013, a liderança do negócio passou diretamente para a neta.

A Astra, também dona da marca Japi, vai chegar à marca de R$ 1 bilhão em faturamento em 2021. A empresa, porém, não começou fabricando os assentos sanitários de plástico pelos quais é conhecida, mas, sim, como marcenaria. Inicialmente, fabricava armários, gabinetes e assentos de madeira - até que, nos anos 1960, o fundador, engenheiro formado pela Poli, da Universidade de São Paulo (USP), desenvolveu a inovação que definiria o negócio.

Cinquenta anos mais tarde, Ana Oliva tenta manter aceso na empresa o legado de inovação plantado por “seu” Francisco. Ela olha o negócio tanto do ponto de vista de produto - a Japi, por exemplo, produz itens de apelo mais popular, para preservar a marca Astra - quanto de comunicação com o cliente.

Para aumentar a interação com o consumidor final, a Astra terá uma loja própria: um ponto de venda de 500 metros quadrados será aberto no Shopping Dom Pedro, em Campinas (SP). A ideia é mostrar a linha além do produto principal - hoje, a companhia oferece 8 mil itens. “Vai ser importante para a gente ficar mais perto do cliente final, para entender o que ele está querendo neste momento.”

Com a loja, o marketing da companhia familiar também passará por uma transformação. Até aqui, a conversa se dava com as redes de material de construção, que sempre distribuíram o produto e continuarão a ser o principal canal de venda. As marcas controladas pela família Oliva estão em cerca de 36 mil lojas pelo Brasil.

Começando por baixo

Se quando Ana tinha 4 anos o avô já brincava que um dia ela lideraria os negócios da família, no fim da adolescência da executiva o trabalho no dia a dia se tornou realidade. Aos 16 anos, ela começou a dar expediente no escritório e, pouco depois, Francisco lhe entregou a administração de um negócio secundário da família: uma loja de utilidades domésticas. “Ele me disse: Você tem de entender como funciona estoque, precisa botar etiqueta de preço, deixar a loja limpa e fechar o caixa todos os dias”, lembra Ana, hoje com 40 anos. 

Como é comum ocorrer com herdeiros de negócios familiares, a atual presidente do conselho da Astra também buscou uma carreira própria, trabalhando por alguns anos em bancos e corretoras. Ela admite que voltou ao sofrer certa pressão do avô - que, a essa altura, já tinha decidido que a neta teria o papel de perpetuar o negócio que ele havia começado.

Apesar de sua passagem pelo mercado financeiro, engana-se quem acredita que a executiva se deixa encantar pelo “canto da sereia” do dinheiro oferecido a negócios familiares por fundos de private equity (que compram participações em empresas) ou pela necessidade de abrir capital na Bolsa. 

Embora a empresa já tenha sido assediada por investidores, a Astra não tem a intenção, a exemplo de outros negócios familiares, como O Boticário e Tramontina, de mexer em sua estrutura. “Atrair um investidor externo não está no nosso horizonte”, diz Ana Oliva. “Temos um DNA super focado em controle de custos, nossa dívida líquida é zero. Tenho caixa para investir, e nada do que eu fizer no mercado (em financiamento) vai ser mais barato do que meu próprio recurso.”

Como o assento em plástico injetado foi desenvolvido por seu avô, a Astra teve a vantagem de receber royalties de rivais que usavam a ideia da companhia. Agora à frente de um negócio que gira em escala muito maior - com 3 mil funcionários e fábricas em Jundiaí (SP) e em Cabo de Santo Agostinho (PE) -, a executiva diz buscar formas de expansão para garantir que a Astra não pare no tempo.

E uma das possibilidades pode ser a Japi, marca criada há 28 anos e que tem custo mais baixo do que o da Astra. Embora o negócio ainda seja menor do que a “empresa mãe”, tem mostrado potencial para competir lá fora.

Além de estar presente na América Latina, a Japi começa a ganhar os grandes home centers americanos, como a Lowe’s.

Ana Oliva brinca que, embora a empresa tenha levado mais de 60 anos para chegar ao primeiro bilhão, a ideia é que o segundo chegue bem mais rápido. Para isso, além de seguir à risca a gestão “pé no chão” de seu Francisco, ela também olha além das fronteiras do Brasil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.