ANÁLISE-Oferta da OGX aquece mercado de abertura de capital

A mais quente operação do mercado deofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) acontece napróxima semana no Brasil, com a negociação dos papéis da OGXPetróleo e Gás Participações, que espera levantar no mínimocerca de 4,7 bilhões de reais. A oferta pode se tornar a terceira maior de uma empresabrasileira, de acordo com a Dealogic. E, se um lote suplementarde ações for oferecido, o IPO chegará a cerca de 5,4 bilhões dereais. Existe ainda uma opção para ações adicionais equivalentes a20 por cento da oferta inicial, ou 989.076 ações, o queelevaria a oferta para 7,5 bilhões de reais, a maior do país. A OGX, criada em setembro de 2007, pertence ao bilionáriobrasileiro Eike Batista, que fez fortuna em negócios demineração. A empresa é parte do conglomerado de Batista, queinclui uma companhia de água, unidades de energia e amineradora MMX Mineração,, que foi lançada ao mercado em 2006. A chegada das ações da OGX pode aquecer o mercadobrasileiro de IPOs, que chegou a ser afetado por preocupaçõescom a crise de crédito nos Estados Unidos. Até agora neste ano,23 IPOs brasileiros foram cancelados ou adiados, ante 10aberturas de capital retiradas do mercado em 2007, segundo aDealogic. O IPO da OGX se espelha nas mega-ofertas do ano passado,que incluem a Bovespa, a maior já feita no Brasil ao levantar 6bilhões de reais, e a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F),que obteve 5,5 bilhões de reais, segundo a Dealogic. Bastista pagou mais de 1 bilhão de dólares (1,6 bilhão dereais) por licenças de exploração de 21 blocos marítimos depetróleo, superando a Petrobras, StatoilHydro e Devon EnergyCorp no leilão promovido pelo governo brasileiro em 2007. A maior parte das licenças da OGX estão em águas rasas, comaté 400 metros de profundidade. A empresa estima que as áreasonde obteve licenças possuem reservas de 4,8 bilhões de barrisde óleo equivalente e espera que a produção comece em 2011. A oferta de ações da OGX acontece em um momento de altarecorde do petróleo. Nesta sexta-feira, a commodity alcançoupreço histórico de 137,70 dólares o barril, após comentários doministro dos Transportes de Israel de que um ataque ainstalações nucleares do Irã parece "inevitável". Além disso, recentes descobertas de petróleo na costabrasileira pela Petrobras fizeram com que analistas previssemque o país poderia se juntar em breve ao grupo dos maioresprodutores da commodity do mundo. RISCO Apesar disso, a oferta da OGX enfrenta muitos riscos, dizemanalistas. "A OGX será integralmente listada...e formada por 30profissionais com currículos respeitáveis e fortes incentivospara terem uma boa performance, mas é uma companhia que está emseu estágio inicial de desenvolvimento e sem ativos reais",disse a analista do JP Morgan Lilyanna Yang. Analistas afirmam que um IPO bem sucedido da OGX podeimpulsionar a valorização da Petrobras, que anunciou descobertano campo de Tupi, na bacia de Santos, com reservas recuperáveisentre 5 e 8 bilhões de barris de óleo equivalente. "Um IPO bem sucedido da OGX pode levar a umareclassificação das ações da Petrobras para um sentido aindamais otimista", disse Yang. A OGX espera emitir 4,95 milhões de ações na faixa entre833 e 1.131 reais por papel. "A OGX contratou muitas pessoas da Petrobras e isso devemitigar parte do risco", disse Nelson Matos, analista do Bancodo Brasil Investimentos. "Haverá muita demanda porque essesblocos estão todos em áreas promissoras." (Reportagem adicional de Denise Luna no Rio de Janeiro eTodd Benson em São Paulo) REUTERS AAJ DL

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.