AN?LISE-Fitch refor?a grau de investimento obtido h? um m?s

A Fitch perdeu o ineditismo, mas n?oa import?ncia. Ao elevar o Brasil ? categoria de grau de investimento, aag?ncia de classifica??o de risco confirmou o que a Standard &Poor's j? fizera e, com isso, deu sinal verde a alguns fundosinternacionais que precisam de ao menos dois desses carimbospara investir no pa?s. "Tem dois aspectos positivos, um deles ? simplesmente aquest?o de confirmar o grau de investimento. Mas o maisimportante ? que muitos investidores institucionais precisamque duas ag?ncias confirmem isso. Nesse sentido, tem efeitospr?ticos com mais entrada" de recursos, afirmou oeconomista-chefe da Fator Corretora, Vladimir Caramaschi. O d?lar aprofundou a queda imediatamente ap?s o an?ncio daFitch, j? antecipando mais ingressos de recursos. No final dosneg?cios, a moeda norte-americana foi cotada a 1,639 real--menor cota??o desde janeiro de 1999, quando come?ou a livreflutua??o do real. No final do m?s passado, a S&P colocou o Brasil no grupodos pa?ses com menor risco de calote. Entre as tr?s maioresag?ncias de risco, s? falta agora o selo da Moody's. Analistas destacaram tamb?m que o efeito da nova categoriadeve ser ainda mais expressivo no m?dio e longo prazos, quandopode vir a "derrubar o juro real de equil?brio" da economiabrasileira, segundo Caramaschi. Roberto Padovani, estrategista de investimentos s?nior paraAm?rica Latina do WestLB do Brasil, concorda com o prazo dosefeitos. "V?rios investidores exigem que voc? tenha duas ag?nciasrecomendando um pa?s. Nesse aspecto voc? tem avan?os... Mas n?omuda muita coisa (no curto prazo), isso j? vinha sendoantecipado." Para Alberto Ramos, economista s?nior do Goldman Sachs, oan?ncio n?o ? o fim dos trabalhos. "O governo n?o deveria parar e festejar, mas se esfor?arpara conseguir ainda mais 'upgrades'. Agora (o Brasil) ? graude investimento, mas h? diversas notas na categoria grau deinvestimento e o pa?s deveria almejar mais", avaliou. Agora, Fitch e S&P classificam a nota soberana em moedaestrangeira do pa?s em "BBB-", o primeiro degrau da faixa de 10notas que vai at? o cobi?ado "AAA". Em nota, a Fitch destacou que est? "mais confiante que amaior estabilidade econ?mica, reduzida vulnerabilidade externa,mais investimentos estrangeiros diretos e os benef?cios dasreformas microecon?micas do passado v?o permitir um crescimentomaior e mais est?vel". (Com reportagem adicional de Silvio Cascione, em S?o Paulo,e Manuela Badawy, em Nova York)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.