ANP adia para 2009 'rodadinha' de campos maduros de petróleo

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) decidiu prorrogar para o ano que vem a chamada "rodadinha", que consiste na venda de campos maduros de petróleo com baixa produção, informou o diretor da ANP Nelson Narciso. A "rodadinha" aconteceria em dezembro deste ano, próxima ao 10o leilão de áreas de petróleo e gás da agência, mantido para 18 de dezembro. "Esta (10a) está rigorosamente 'on time'", disse o diretor a jornalistas, após encontro com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Carlos Gutierrez, no Rio de Janeiro. "Tudo o que precisa ser feito para a 10a rodada está alinhado, todos os blocos estão aprovados, o hotel está bem encaminhado, o sistema e toda a estrutura. Estamos trabalhando para colocar a rodada no dia 18", complementou. Segundo Narciso, a "rodadinha" iria oferecer 19 blocos em terra, e a previsão é de que seja realizada ainda no primeiro trimestre de 2009. "Nós já temos o aval do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) para a 'rodadinha', mas resolvemos não mexer com ela porque tem algumas restrições ambientais... queremos limpar a possibilidades de problemas para depois colocar a rodada", afirmou, sem dar detalhes sobre os obstáculos para a venda. Ele confirmou que a ANP retirou 32 blocos que já haviam sido anunciados para a 10a rodada, devido a problemas de licenciamento ambiental das áreas, o que poderia incitar recursos judiciais. "Tudo o que poderia inibir (a participação de investidores) nós procuramos limpar", afirmou. Com essa redução, a 10a rodada vai oferecer 130 blocos terrestres em sete bacias sedimentares. Narciso disse ainda que na próxima terça-feira será realizada a audiência pública da 10a rodada, onde será feita uma apresentação de todas as áreas que serão ofertadas e discutido o pré-edital publicado em 2 de outubro. A previsão é de que o edital definitivo seja publicado no dia 30 de outubro. O diretor reconheceu que o perfil de investidores que deverão participar da 10a rodada, composta apenas de blocos em terra, será de pequenos e médios, em razão das características do leilão. "A gente atende, respeita e aceita o posicionamento do investidor. O mais importante é buscar descortinar as áreas em terra, não é um perfil reconhecidamente para as 'majors' que vem buscando as grandes acumulações", concluiu. (Por Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.