Aperto do crédito pode levar a uma recessão na Europa

Avaliação é do Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), que está envolvido nas negociações de um novo pacote de resgate à Grécia como representante dos credores privados

Agência Estado,

25 de outubro de 2011 | 22h25

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) afirmou que o crédito cada vez mais apertado na Europa pode provocar uma recessão na zona do euro. O grupo, que reúne mais de 440 grandes bancos, seguradoras e instituições financeiras de todo o mundo, está envolvido nas negociações de um novo pacote de resgate à Grécia como representante dos credores privados do país.

"Nós reduzimos nossa estimativa magra de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) da zona do euro nos próximos trimestres e agora projetamos uma pequena recessão na região", afirmou o IIF em um relatório, acrescentando que, conforme os bancos europeus adaptam-se à possibilidade de sofrer perdas significativas com os títulos gregos e também a novas requerimentos de capital, "uma onda de contração de crédito prejudicará a atividade corporativa, especialmente em áreas mais sensíveis ao crédito, como a de construção".

O IIF disse também que o Banco Central Europeu (BCE) agiu tarde demais e com pouca energia para conter esse aperto no financiamento.

Em meados deste ano, o IIF e as autoridades da zona do euro chegaram a um acordo para que os detentores privados de títulos da Grécia trocassem os títulos gregos que possuíam em seus balanços por papéis de prazo mais longo e aceitassem sofrer perdas com esses investimentos. Agora, no entanto, as autoridades europeias estão pressionando os bancos para que eles aceitem perdas até três vezes maiores do que as previstas originalmente, o que tem dificultado as negociações sobre um novo pacote de resgate à Grécia.

As informações são da Dow Jones. (Gustavo Nicoletta)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.