Apesar do fim da greve, Lufthansa segue cancelando vôos

Depois de cinco dias de greve, a Lufthansa e o sindicato sindical Verdi chegaram a um acordo que inclui um aumento salarial

02 de agosto de 2008 | 06h23

Apesar de ter solucionado a greve de parte de seus funcionários, a companhia aérea alemã Lufthansa acredita mais de 100 vôos serão cancelados neste sábado. "Há algumas irregularidades a acertar ainda nas áreas de manutenção e de check in", disse um porta-voz da companhia aérea, que prevê a normalidade do serviço em até 15 dias. Cinco dias depois do início de uma greve que não tinha data para terminar, a Lufthansa e o sindicato sindical Verdi chegaram a um acordo que inclui um aumento salarial de 7,4% em quase dois anos. A primeira alta será de 5,1 % e terá efeitos retroativos com data de 1 de julho, e o segundo, a partir de julho de 2009, e será de 2,3%. Além disso, foi acordado um pagamento extraordinário único que oscilará entre 1,5 e 2,4 %, dependendo do departamento. Levando em conta que o convênio terá vigência de 21 meses, o aumento salarial será de 4,2% por ano. A Verdi anunciou a suspensão das ações da greve para o turno da manhã do sábado, mas a Lufthansa advertiu que o plano de emergência iniciado não atenderia à demanda até segunda. Este plano contemplava uma redução da oferta em 10%, ou seja, o cancelamento diário de 128 vôos - 28 deles de longa distância. A paralisação começou na última segunda, depois de a Verdi rejeitar a oferta da Lufthansa de aumento salarial de 6,7% em quase dois anos, além de um pagamento extraordinário único. O sindicato exigia um aumento de 9,8% e um convênio com uma vigência de um só ano para cerca de 50.000 funcionários de áreas como administração e catering. Calcula-se que a Lufthansa perdeu 5 milhões de euros por dia devido à greve.

Tudo o que sabemos sobre:
Lufthansa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.