Aplicativo de mapas do Google volta ao iPhone

Tópico #GoogleMaps terminou o dia como um dos mais comentados do microblog nos EUA, e o aplicativo ficou em primeiro lugar entre os gratuitos mais baixados na App Store 

Nayara Fraga e Vinicius Felix, da Agência Estado,

13 de dezembro de 2012 | 20h24

Os donos de iPhone e iPad que haviam perdido o Google Maps na atualização do sistema operacional iOS podem respirar aliviados. O aplicativo de mapas do Google foi lançado na App Store, loja de aplicativos da Apple, no fim da noite de quarta-feira.

"Nosso pesadelo chegou ao fim" e "Agora eu não vou ter mais medo de me perder" foram comentários comuns entre os usuários do Twitter nesta quinta-feira. O tópico #GoogleMaps terminou o dia como um dos mais comentados do microblog nos Estados Unidos, e o aplicativo ficou em primeiro lugar entre os gratuitos mais baixados na App Store.

Tamanha comemoração não espanta. A Apple incluiu o seu próprio aplicativo de mapas na versão iOS 6 de sua plataforma móvel e deixou de fora o Google Maps, que vinha embutido nos aparelhos da companhia desde 2007. O problema foi que, além de excluir o velho conhecido do usuário, a Apple não ofereceu um substituto à altura.

O Apple Maps foi lançado com muitas falhas. Os pontos turísticos distorcidos foram os primeiros a serem notados. A ponte Brooklyn Bridge, em Nova York, parecia uma montanha russa, por causa da falta de nitidez, e a Estátua da Liberdade era apenas uma sombra.

Estabelecimentos identificados erroneamente também foram observados. Uma fazenda chamada Airfield, em Dublin, foi identificada como aeroporto. O governo irlandês teve de pedir a imediata correção, temendo o pouso de alguma aeronave no terreno. A polícia australiana também fez um pedido à Apple - corrigir a posição da cidade de Mildura, que aparecia a 70 quilômetros do local verdadeiro. O erro levou motoristas para dentro de um parque nacional de terreno perigoso e temperatura elevada onde não havia água potável. Um homem chegou a ficar 24 horas perdido.

O fracasso foi admitido pela Apple, uma empresa que ironicamente faz questão de se posicionar como a que lança produtos apenas depois de ter certeza de que ele está impecável. Tim Cook, presidente da companhia, reconheceu a falha em uma carta aberta no site da empresa. "Nós pedimos desculpas pela frustração que causamos em nosso consumidores", disse.

"Enquanto nós trabalhamos para melhorar os mapas, você pode experimentar alternativas presentes na App Store, como o Bing (da Microsoft), MapQuest e Waze, ou usar o Google e o Nokia Maps. Basta acessar o website de cada um deles e criar ícones para seus serviços web na tela inicial."

A carta de desculpas teria sido o estopim para a saída de Scott Forstall do comando da área de software da Apple, em outubro. Jornais americanos afirmaram que ele teria se recusado a assinar o comunicado por tê-lo considerado um exagero.

Sites de tecnologia e usuários de iPhone consideraram o Apple Maps o ponto mais fraco do iOS 6. O novo Google Maps tem navegação por voz, rotas de transporte público, Street View e indicação de trânsito. O aplicativo requer o iOS 5.1 ou superior, é compatível com o iPhone 3GS, iPhone 4, iPhone 4S, iPhone 5, iPod touch e iPad. Está disponível em 29 idiomas.

Tudo o que sabemos sobre:
AppleiPhoneaplicativo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.