Após acordo fiscal, Obama sanciona lei para encerrar paralisação do governo

Na noite desta quarta-feira, parlamentares do Senado fizeram um acordo para elevar o teto da dívida dos EUA 

Reuters,

17 de outubro de 2013 | 08h34

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sancionou na madrugada desta quinta-feira, 17, a lei que encerra a paralisação do governo dos EUA e eleva o teto da dívida pública norte-americana, logo após o Congresso ter superado um impasse que ameaçava provocar um calote histórico.

Os parlamentares aprovaram na noite de quarta-feira, 16, um acordo de última hora para acabar com a crise, encerrando semanas de debates políticos que deixaram os mercados globais agitados e poderiam causar uma calamidade financeira global em caso de default da dívida norte-americana.

Senado e Câmara dos Deputados aprovaram a medida depois que os republicanos desistiram dos esforços de vincular a legislação de gastos do governo às mudanças na lei de saúde de Obama.

O Senado, controlado pelos democratas, aprovou a medida por 81 votos a favor e 18 contra, e a Câmara, liderada pelos republicanos, seguiu o exemplo e aprovou a lei por 285 votos a favor e 144 contra.

O Departamento do Tesouro dos EUA diz que atingiria nesta quinta-feira o teto da dívida, de US$ 16,7 trilhões, se o limite não fosse elevado.

O acordo da quarta-feira, no entanto, oferece apenas uma solução temporária e não resolve as questões fundamentais de gastos e déficits que dividem republicanos e democratas.

A legislação emergencial financia o governo até 15 de janeiro e eleva o teto da dívida até 7 de fevereiro, quando os norte-americanos correm o risco de enfrentar outra paralisação do governo.

Logo após a sanção da lei pelo presidente, a Casa Branca agiu rápido ainda na madrugada desta quinta para recolocar o governo nos trilhos e determinou a volta ao trabalho de centenas de milhares de funcionários federais.

A diretora de Orçamento da Casa Branca, Sylvia Mathews Burwell, emitiu uma diretiva aos funcionários solicitando a volta ao trabalho no próximo dia regular, que para a maioria é nesta quinta-feira.

"Todos os funcionários que estavam em licença não remunerada devido à falta de verba podem agora voltar ao trabalho. Vocês devem reabrir escritórios de uma forma rápida e ordenada", disse ela.

Burwell disse que nos próximos dias a Casa Branca vai trabalhar em estreita colaboração com os departamentos e agências federais para tornar a transição de volta ao status operacional completo o mais tranquilo possível.

Reabrir o governo totalmente deve levar vários dias. Enquanto as funções essenciais, como defesa e controle de tráfego aéreo, foram mantidas, parques e agências nacionais, como a Agência de Proteção Ambiental, fecharam.

Tudo o que sabemos sobre:
paralisaçãoEUAObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.