JF Diório/Estadão
JF Diório/Estadão

Após aporte de R$ 300 mi, gestora deve assumir controle da Máquina de Vendas

Com dívidas totais de R$ 3 bi, dona das redes Ricardo Eletro e Insinuante deve homologar nas próximas semanas plano de recuperação extrajudicial; com o acerto, a empresa Starboard fará empréstimo à companhia e valor será convertido em ações

Mônica Scaramuzzo e Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2018 | 04h00

A Máquina de Vendas, dona das redes Ricardo Eletro e Insinuante, deve homologar nas próximas semanas seu plano de recuperação extrajudicial com seus fornecedores, que têm créditos de R$ 1,5 bilhão com a varejista, apurou o Estado. Esse acerto será importante para que a Starboard, especializada em reestruturação em empresas com problemas financeiros, faça um empréstimo de cerca de R$ 300 milhões à companhia – esse valor deverá ser convertido em ações, tirando os fundadores do controle do negócio.

Resultado da fusão da Ricardo Eletro, do empresário Ricardo Nunes, e da Insinuante, de Luiz Carlos Batista, em 2010, a varejista tem dívidas de R$ 3 bilhões, metade delas com bancos, e está sem linha de crédito no mercado. O aporte da Starboard permitirá à companhia ganhar mais fôlego. Os reestruturadores, que têm o fundo americano Apollo como sócio, terão ao final 72,5% da Máquina de Vendas e os fundadores, incluindo a família Salfer, o restante.

Em agosto, a companhia entrou com pedido de recuperação extrajudicial na Justiça. À época, 60% dos fornecedores de linha branca e eletroeletrônicos consentiram em renegociar as dívidas com o grupo. Agora, essa renegociação será estendida aos demais credores, que concordaram em voltar a entregar produtos para a empresa. A mudança de controle da varejista está prevista para os próximos 30 a 60 dias.

Nas últimas semanas, cerca de 15 fornecedores, que respondem por 80% do R$ 1,5 bilhão de débitos, voltaram a abastecer a loja com produtos. A iniciativa foi importante para a varejista faturar durante a Black Friday, promoção relâmpago realizada no mês de novembro. A expectativa da companhia é elevar as receitas no Natal.

​Perda de espaço

Terceira maior rede de eletroeletrônicos e linha branca do País, atrás de Magazine Luiza e Via Varejo, a empresa teve dificuldade de fazer a integração de suas bandeiras – além da Insinuante e Ricardo Eletro, é dona das redes City Lar, Salfer e Eletro Shopping – e foi perdendo espaço para os rivais, de acordo com especialistas ouvidos pelo Estado.

A rede, que chegou a faturar R$ 10 bilhões por ano, deve encerrar 2017 com receita de cerca de R$ 3 bilhões. No ano passado, as vendas foram de R$ 5 bilhões. Com 650 lojas, a varejista chegou a ter quase 1,2 mil unidades em todo o País. Fontes a par do assunto afirmaram que a prioridade da companhia é retomar as vendas. Expansão de número de lojas, por ora, está descartada. A aposta da empresa de reestruturação é que o faturamento da rede volte a crescer com a retomada do crescimento da economia.

Crise aguda

Não foram poucos os fundos de investimento que desde 2013 olharam os números e a operação da Máquina de Vendas. As margens baixas do setor, o complexo processo de integração do grupo e os perfis conflitantes dos donos afastaram os potenciais interessados, segundo fontes. O projeto inicial da Máquina de Vendas era atrair um sócio minoritário para a compra de 20% a 40% da companhia.

Antes da Starboard, outras empresas de reestruturação tentaram fazer o “turnaround” (virada) da empresa. Em julho de 2015, a consultoria de Enéas Pestana, ex-presidente do Grupo Pão de Açúcar (GPA), fez um plano de reestruturação. Ricardo Nunes chegou a ser afastado da gestão, mas acabou voltando ao negócio seis meses depois, com a saída de Pestana.

No plano atual da Starboard, Nunes deverá se manter na gestão comercial do grupo.

Procuradas pela reportagem, a gestora Starboard e a Máquina de Vendas não comentaram o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.