Após aquisições, JBS será líder global em vendas de carne

O grupo brasileiro JBS, que anunciouna noite de terça-feira a aquisição de três empresas nosEstados Unidos e na Austrália, deverá assumir a liderança emvendas mundiais de carne bovina, assim que os órgãosantitrustre dos países aprovarem as transações. O JBS, que já é o maior do mundo em abates de bovinos, iráampliar sua atuação nos EUA e Austrália com as compras por 1,68bilhão de dólares das empresas norte-americanas National Beef eSmithfield Beef e da australiana Tasman. "Somos hoje os líderes em abate. E após a conclusão dasaquisições nos tornaremos líderes em vendas do setor. Somenteem termos de carne bovina, vamos ter vendas de 20 bilhões dedólares (anuais) e abates de 80 mil bois diariamente", afirmouo presidente do JBS, Joesley Mendonça Batista, em conferênciacom analistas e jornalistas. Segundo ele, a empresa registra atualmente 10 bilhões dedólares em vendas de produtos bovinos, contra cerca de 15bilhões de dólares anuais da norte-americana Tyson Foods . "Considerando as atividades de suínos nos EUA (com vendasde 2 bilhões de dólares anuais), a empresa vai para 22 bilhõesde dólares em vendas", acrescentou ele. Após a integração dos negócios, a empresa terá capacidadede abater 15 milhões de bois por ano, ou mais de 10 por centodo mercado oficial no planeta. Para fazer frente aos investimentos, a empresa fará umasubscrição privada de novas ações, no valor de cerca de 1,5bilhão de dólares. Assim, o bloco controlador passará a detercerca de 51 por cento, contra 63 por cento anteriormente. De acordo com Batista, todas as empresas juntas vãopermitir sinergias de 150 milhões de dólares, em 18 meses apósa consolidação do negócio. O presidente afirmou que, com as novas aquisições, acompanhia terá uma base sustentável para vendas para todos oscontinentes. "Dessa forma, temos presença global, cada dia maispreparados para competir, para enfrentar as questões sanitáriase fazer das crises sempre uma oportunidade, o que tem sido ohistórico nosso nos últimos anos." CRESCIMENTO ORGÂNICO Batista ressaltou que, com essas aquisições, "encerramos umnovo ciclo que se iniciou através da compra da Swift (nosEUA)", em meados do ano passado. "Consideramos como uma estratégia cumprida", disse ele,lembrando que a empresa atua da maneira que gosta, "adquirindoempresas com "maus resultados para fazê-las produzir bonsresultados". Depois de um processo de compras que envolveram grandesfrigoríficos nos Estados Unidos, Austrália e Argentina, desdeque iniciou a sua expansão internacional, o JBS pretende mantera liderança nas vendas sem novas aquisições de vulto. "Para os próximos anos, temos como meta o foco em melhoriasoperacionais, nos ganhos de sinergia, e seguiremos crescendoorganicamente", disse Batista. O presidente afirmou ainda que, após a aprovação dasautoridades antitruste, "vamos assistir em 2009 uma integraçãomuito grande das três empresas, os custos de integração não sãorelevantes o ponto de comprometer o nosso plano." O JBS comprou operações da National Beef por 970 milhões dedólares, sendo 410 milhões em dívidas. As operações de bovinos da Smithfield foram adquiridas por565 milhões de dólares, com quatro frigoríficos nos EUA,incluindo a subsidiária Five River, com dez confinamentos, amaior do setor norte-americano. "E curiosamente, dos dez confinamentos, 60 por cento jáfornecem à Swift, ou seja, vai ter uma boa sinergia a sercapturada nesse negócio." O Tasman Group, que opera no sul da Austrália, do mesmolado onde o JBS já opera, foi comprado por 150 milhões dedólares. "Temos forte chances (de ver a aprovação) e só por issoestamos fazendo o negócio, contamos com aprovação de 100 porcento." O National Beef teve vendas de 5,6 bilhões de dólares noúltimo ano fiscal. Entre as unidades compradas, três plantas deabate com capacidade para 14 mil bois/dia. "National Beef temse mostrado a empresa com melhores resultados do setor, enxuta,que performa sempre melhor do que os concorrentes...". O Smithfield opera com quatro abatedouros, para 2 milcabeças/dia, e vendas de 2,8 bilhões de dólares. Já a FiveRivers produz 2 milhões de cabeças por ano. A Tasman teve vendas de 465 milhões de dólares no anofiscal, com abates diários de 2,7 mil cabeças/dias, e possuitambém abate de ovinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.