Após expulsar Repsol, YPF se alia à Chevron

A Assembleia Legislativa da Província de Neuquén aprovou, na noite de quarta-feira, 28, as condições para o acordo do governo da presidente Cristina Kirchner com a multinacional americana Chevron para a exploração da jazida de gás de xisto de Vaca Muerta. Com o acordo, a estatal argentina e a empresa americana tornam-se sócias na exploração de uma área ambiental que comunidades indígenas, organizações sociais e partidos de esquerda querem preservar nessa província.

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

30 de agosto de 2013 | 08h17

A polícia de Neuquén, província governada por aliados de Cristina, reprimiu com violência os protestos contra o acordo sobre Vaca Muerta, considerada uma das maiores reservas de hidrocarbonetos não convencionais do planeta.

O acordo YPF-Chevron implica em uma guinada no discurso nacionalista da presidente Cristina, que há pouco mais de um ano expulsou a Repsol da YPF, expropriando a maior parte das ações que a empresa espanhola tinha da petrolífera argentina. Cristina alegou na época que a medida visava recuperar a ?soberania energética? do país.

Na sequência, o governo tentou seduzir empresas estatais da região a investir em parceria com a YPF, entre elas a Petrobrás. No entanto, Cristina fracassou nessa empreitada e procurou parceiros fora da América do Sul. A alternativa encontrada foi a Chevron.

Na última quarta-feira, após a votação que aprovou o acordo, os representantes da oposição deixaram no plenário da Assembleia Legislativa de Neuquén, em sinal de sarcasmo, uma bandeira dos EUA. O acordo determina que a Chevron invista US$ 1,24 bilhão para explorar a área de Vaca Muerta. Na contramão da expropriação da YPF, anunciada com estardalhaço em rede nacional, as negociações com a Chevron foram feitas discretamente, sem anúncios presidenciais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
RepsolYPFChevron@estadaoconteudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.