Cobasi/Divulgação
Cobasi/Divulgação

Após Petz, Cobasi e Petlove devem ir às compras para enfrentar concorrência

Grupos que atuam principalmente no segmento de animais de estimação têm recursos de aportes feitos por fundos de investimento privado

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

07 de fevereiro de 2022 | 05h00

O apetite da Petz em aquisições deve se refletir em reação das concorrentes nos próximos meses, com o mercado esperando movimentos de compras pela Cobasi – segunda maior rede do País – e da Petlove, a terceira colocada, mais conhecida pelo e-commerce.

A Petz se capitalizou com uma oferta subsequente de ações (follow-on) de R$ 779 milhões e já deu pistas de que suas próximas compras podem vir na área de saúde. Embora ainda não estejam presentes na Bolsa, Cobasi e Petlove têm recursos de aportes feitos por fundos de investimento privado em suas operações. 

A área da saúde e bem estar animal deve motivar as três redes, seja pelo lançamento de serviços próprios ou por aquisição de negócios já em andamento. 

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, mesmo a Cobasi, que costuma ser mais discreta e empreende um crescimento mais paulatino, já formou um comitê destinado a avaliar as melhores oportunidades de aquisição. 

Em meados do ano passado, depois de receber R$ 300 milhões do fundo Kinea, do Itaú Unibanco, o presidente da empresa, Paulo Nassar, disse que o dinheiro havia sido usado em expansão de lojas físicas, vendas digitais e na compra da Pet Anjo (que oferece serviços de hospedagem e de passeio para cães, anunciada em junho de 2021).

“Novos M&As (fusões e aquisições, na sigla em inglês) devem acontecer. Estão na mesa no atual momento”, afirmou o executivo. A Cobasi se prepara para abrir até 50 novas lojas físicas este ano – os pontos de venda também são usados como minicentros de distribuição para as vendas feitas pela internet. 

RECURSO DISPONÍVEL

A Petlove recebeu, em agosto do ano passado, uma injeção de capital de R$ 750 milhões, liderada pela Riverwood Capital, com participação da Softbank Latin America e da Monashees. 

A companhia, fundada por Marcio Waldmann, está de olho no status de “unicórnio” (apelido dado às startups que valem mais de US$ 1 bilhão). A empresa comprou, em 2021, a DogHero, de serviços de passeadores e cuidadores de cães e gatos, e fechou parceria com a Porto Seguro para lançar seu plano de saúde para pets.

Apesar de estar capitalizada, a Petlove considera o cenário de inflação alta como um fator que pode reforçar a preferência por movimentos próprios de crescimento ao longo de 2022. A companhia faturou R$ 800 milhões em 2021, com projeção de chegar a R$ 1,1 bilhão neste ano. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.