Após prejuízo recorde, empresa busca novo rumo

Depois de registrar perdas de R$ 10,49 bilhões entre outubro e dezembro de 2012 - o maior prejuízo trimestral da história para uma empresa brasileira de capital aberto, segundo a consultoria Economatica -, a Eletrobrás passou a buscar alternativas para recuperar a lucratividade. As demissões são só uma das frentes do processo de recuperação da estatal de energia.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

28 de maio de 2013 | 21h21

Há duas semanas, a Eletrobrás começou o processo de contratação do banco para desenhar o modelo de reestruturação de distribuição, historicamente uma fonte de prejuízos do grupo. Uma fonte a par do processo disse que a escolha da instituição deve ocorrer nos próximos dias. A intenção é ter um modelo pronto até o dia 30 de junho, mas alguns bancos teriam solicitado um prazo maior. A Eletrobrás, por ora, teria negado o pedido pelo receio de perder o controle sobre o prazo.

Em relatório distribuído a clientes, os analistas do Merrill Lynch/Bank of America Felipe Leal Luiz Antonio Leite e Diego Moreno comentaram que a privatização das seis distribuidoras da Eletrobrás é bastante improvável devido à proximidade da eleição presidencial de 2014. "Uma potencial joint venture com parceiros privados é a alternativa mais provável, com os novos parceiros adquirindo fatia majoritária via um aumento de capital para financiar os investimentos e promover um ''turn around'' no negócio de distribuição."

Tudo o que sabemos sobre:
ELETROBRASPDVPREJUÍZO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.