Divulgação
Divulgação

Após rápida expansão, Madero busca sócio

Rede de restaurantes precisa levantar recursos para pagar dívida com gestora HSI e concretizar meta de chegar a 200 unidades até 2018

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2016 | 06h00

Depois de duas tentativas fracassadas, em 2014 e 2015, a rede de restaurantes Madero pretende finalmente fechar a venda de parte da empresa. A intenção do fundador, Junior Durski, é se desfazer de até 20% do negócio e levantar capital para saldar a dívida que a companhia tem com a gestora HSI e concretizar seu plano de expansão da rede.

Com previsão de fechar o ano com um faturamento de R$ 350 milhões e 85 unidades em operação, o Madero foi a 14.ª empresa que mais cresceu no país entre 2013 e 2015, a uma taxa média de 55% ao ano, segundo ranking da Deloitte.

Para manter o ritmo de crescimento, a rede precisará de R$ 120 milhões em 2017. Do total, 17% serão destinados à ampliação da fábrica, instalada em Ponta Grossa (PR), e o restante, à abertura de 40 unidades – cinco delas no exterior. Apesar de hoje ter 15 franquias, a ideia é que as novas lojas sejam próprias.

Em 2014, Durski planejava vender uma participação de 33% do negócio ao 2bCapital, fundo criado pelo Bradesco em parceria com o Banco Espírito Santo. O acordo naufragou com o colapso do banco português, um dos pivôs do escândalo da operadora Oi, que depois viria a ser salvo pelo governo daquele país. Em 2015, houve conversas com o fundo de investimentos Actis, que acabaram não avançando, e o empresário optou por emitir debêntures de R$ 88 milhões – compradas pela paulistana HSI.

Marca. Especialistas da área afirmam que o modelo do Madero é sólido. Segundo o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci Júnior, a marca conseguiu o respeito do mercado por oferecer produto e serviço de qualidade.

A empresa também abriu um segmento novo, já que não existe outra rede premium no País especializada em hambúrgueres. “O Madero chegou na hora certa, no local certo e com o produto certo.”

Solmucci pondera, porém, que a expansão no exterior pode não ter o mesmo sucesso da brasileira, pois operar no exterior exige modificações no negócio. “Nem sempre o modelo de gestão se adapta a outro país. Nos Estados Unidos, pode ser mais fácil contratar e demitir, por exemplo, mas a rotatividade de funcionários é maior.”

Hoje, o Madero tem uma unidade em Miami. Outras cinco deverão ser abertas na Flórida em 2017. Durski admite ainda estar aprendendo a operar fora do País, mas quer ampliar a operação nos EUA para que seja possível trabalhar lá apenas com produtos fabricados no Paraná, como já faz no Brasil – a empresa produz em sua fábrica desde os hambúrgueres até os bolos do petit gâteau. “Precisamos ter volume para compensar o envio das mercadorias”, diz.

Para Caio Gouvêa, consultor em food service que destaca o design das lojas da rede como um dos fatores de sucesso, o momento é bom para a transação. O atual patamar do dólar torna o Brasil mais barato para investidores estrangeiros, o que poderia tornar a companhia um alvo de fundos internacionais.

Apesar de o crescimento da receita previsto para este ano chegar a 50%, o Madero não deverá registrar expansão nas lojas que estão em funcionamento há mais de um ano. A alta será puxada apenas pelas unidades novas.

A companhia deverá encerrar o ano com faturamento de R$ 350 milhões, alta de 60% na comparação com 2015. Nos últimos quatro anos, a empresa cresceu a uma média de 55%. Para 2017, a meta é de R$ 500 milhões

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.