Após safra menor, exportação de café verde do Brasil cai 9,2%

As exportações de café verde doBrasil no ano comercial 2007/08 (julho/junho) fecharam operíodo em 23,86 milhões de sacas (60 kg), queda de 9,2 porcento ante as 26,27 milhões de sacas na temporada anterior,informou nesta sexta-feira o Conselho dos Exportadores de Cafédo Brasil (Cecafé). As exportações de café verde do Brasil em junho somaram1,56 milhão de sacas, queda de 13,6 por cento em relação aovolume de 1,81 milhão de sacas embarcadas no mesmo mês do anopassado. "Estamos encerrando uma safra pequena. Agora estamosvivendo uma outra safra, mais generosa, que está em processo decolheita e já está entrando no mercado", afirmou odiretor-geral do Cecafé, Guilherme Braga, em comunicado. Em 2007/08, o Brasil produziu, segundo o Ministério daAgricultura, 33,7 milhões de sacas. A safra 2008/09, cujacolheita já começou, está oficialmente estimada em 45,5 milhõesde sacas, uma vez que o maior produtor mundial agora está noperíodo de alta do ciclo bianual do café arábica. Na safra 2007/08, o Brasil exportou 22,13 milhões de sacasde café arábica, contra 24,78 milhões em 2006/07, quando atemporada foi de alta no ciclo dessa variedade. Já a exportação de café verde do tipo robusta em 07/08,quando o Brasil colheu uma boa safra, foi de 1,72 milhão desacas, contra 1,48 milhão de sacas em 2006/07. As exportações totais na temporada 2007/08, incluindo oequivalente em café solúvel, somaram 27,2 milhões de sacas,ante 29,4 milhões em 06/07. Com melhores preços em 07/08, no entanto, as exportaçõesrenderam mais ao Brasil neste período, na comparação com oanterior. A receita com os embarques totais foi de 4,11 bilhões dedólares, alta de 10,6 por cento ante os 3,71 bilhõesregistrados em 06/07. Para 2008/09, o Cecafé avalia que as exportações, emvolumes, poderão pelo menos alcançar o patamar de 06/07,ficando em cerca de 29 milhões de sacas, incluindo solúvel. De janeiro a junho de 2008, a Alemanha se manteve como oprincipal destino do café verde brasileiro, recebendo 2,13milhão de sacas. No entanto, tanto Alemanha como Estados Unidos e Itália,segundo e terceiro principais destinos do café verdebrasileiro, reduziram as compras na comparação com o anopassado. Para Alemanha, as exportações no acumulado do ano caíram16,6 por cento em relação ao primeiro semestre de 2007, aopasso que as vendas para Estados Unidos caíram 10,2 por cento(para 1,7 milhão) e para Itália tiveram queda de 9,9 por cento(para 1,3 milhão). Em contrapartida a Bélgica, que ocupa o quarto lugar nalista dos maiores importadores de café, apresentou um aumentode 69,05 por cento nas importações, recebendo 1,05 milhão desacas. NEGÓCIOS LENTOS O ritmo lento de colheita e a redução dos estoques noBrasil estão influenciando de maneira negativa as exportaçõesneste início de safra 2008/09, avaliou nesta sexta-feira oCentro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). "O mercado de café arábica esteve mais lento nos últimosdias. Apesar de haver procura por parte de compradores,vendedores se recusaram a comercializar o grão pelos baixospreços oferecidos", informou o Cepea em um relatório. Sem negociações, cafeicultores deram maior atenção aoandamento da colheita do arábica, destacaram os analistas. "Nãosó as negociações internas estiveram fracas, como também osembarques." A colheita está atrasada devido a floradas tardias, o queresultou em uma maturação mais irregular da safra. Na quinta-feira, o Indicador Cepea/Esalq do arábica bicacorrida, tipo 6, bebida dura para melhor, fechou a 262,39 reaispor saca, queda de 0,91 por cento ante valor da semanapassada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.