Após três dias de paralisação, aeroportos têm dia tranquilo

Segundo a Infraero, os atrasos mais significativos até o momento ocorreram nos aeroportos de Maceió, Carajás e Belo Horizonte

estadão.com.br,

26 de dezembro de 2011 | 14h50

SÃO PAULO - Depois de três dias de greve nos aeroportos de Brasília, de Fortaleza, Salvador e nos terminais internacionais do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, os aeroviários retornaram nesta segunda-feira, 26, às atividades normais. Os aeroportos mais movimentados nesta segunda-feira são os de Guarulhos, com 125 voos programados, e Congonhas, com 109 voos, ambos em São Paulo, e o de Brasília com 104 voos.

Não há registros de incidentes graves nem tumultos, segundo os responsáveis pelos aeroportos. Com viagem marcada para São Paulo, a estudante de administração Juliana Coelho disse estar surpresa com o pouco movimento no Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, de Brasília.

"Eu levantei muito cedo hoje, pensando que isso aqui estaria um caos por causa do excesso de pessoas e também de aborrecimentos com atrasos e cancelamentos de voos, mas fiquei surpresa ao ver que as coisas até que estão fluindo aqui", disse a universitária, comemorando que não será prejudicada por eventuais transtornos.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que os números de passageiros e voos estão dentro da normalidade e compatíveis com a época do ano. De acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), 5,8% dos 1.546 voos domésticos e 10,7% dos 103 internacionais programados até as 13 horas desta segunda apresentaram atrasos e cancelamentos superiores a meia hora.

Pelos dados da Infraero, os atrasos mais significativos ocorreram nos aeroportos de Maceió, com 23,1%; Carajás, com 20%; e Belo Horizonte com 13,2%.

Durante três dias, as autoridades do setor aéreo acenderam a luz de alerta devido à paralisação de funcionários nos principais aeroportos do país. Porém, um acordo evitou o agravamento da situação.

As entidades que defendem os interesses dos funcionários que trabalham em aeroportos aceitaram a proposta de aumento salarial de 6,5% feita pelas companhias aéreas. Aproximadamente 13% dos voos domésticos e internacionais apresentaram atraso durante o tempo da paralisação prejudicando mais de 2 mil pessoas.

As informações são da Agência Brasil.

Texto atualizado às 15h35

Tudo o que sabemos sobre:
aeroportosgrevefim de anoviagens

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.