Eric Piermont-AFP
Eric Piermont-AFP

Ex-sócio chinês da Azul morre ao cair de muro de 15 metros

Empresário caiu de um muro enquanto tirava uma foto com a família; semana passada, a Hainan Airlines anunciou que iria se desfazer de 17,2% de participação na companhia aérea brasileira

Célia Froufe, correspondente, O Estado de S.Paulo

04 Julho 2018 | 10h35

LONDRES - Wang Jian, presidente do grupo chinês HNA, maior acionista da companhia aérea Azul até sexta-feira passada, morreu nesta quarta-feira, no Sul da França. Conforme noticiam nesta quarta, 4, vários veículos da imprensa europeia, ele caiu de um muro, a uma altura de 15 metros, quando tirava uma fotografia com a família. O caso é tratado como um acidente, mas será feita uma autópsia para averiguar a causa da morte.

+ Lucro da Azul soma R$ 210,5, alta de 260,8% em um ano

Na semana passada, a Hainan Airlines, do grupo HNA, anunciou que iria se desfazer de sua participação na empresa brasileira em razão de seu alto endividamento. A companhia detinha 17,2% de participação e três das 12 cadeiras do conselho de administração da Azul. A operação, avaliada em US$ 320 milhões, foi colocada na Bolsa de Nova York há uma semana, na quarta-feira passada, 27, e a expectativa era de que fosse liquidada na sexta, 29.

+ United Airlines dobra participação na Azul

Com a saída da HNA da estrutura de capital da empresa, a Azul passou a ter como seus maiores acionistas a Trip e a americana United Airlines. O fundador da companhia aérea, o americano nascido no Brasil David Neeleman, permaneceu com 67% das ações com direito a voto e 5,3% do capital total da empresa. Em abril, os chineses já haviam vendido uma parte de sua fatia na Azul para a United, que até então tinha uma fatia de 3,7%. 

Mais conteúdo sobre:
Azul Linhas Aéreas Brasileiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.