Apple rebate críticas sobre não pagamento de impostos

Senadores dos EUA disseram na manhã desta terça-feira, 21, que a Apple recorreu à "alquimia" e "empresas fantasmas" para evitar o pagamento de bilhões de dólares em impostos corporativos nos últimos quatro anos. Segundo o senador democrata Carl Levin, que preside o Subcomitê Permanente de Investigações, a companhia se tornou muito criativa com suas práticas tributárias. "A Apple buscou o Santo Graal da evasão tributária. A Apple está explorando uma absurdidade, algo que não vemos outras empresas usarem", comentou.

Agencia Estado

21 de maio de 2013 | 15h57

Apesar das críticas dos senadores, a investigação realizada pelo subcomitê não encontrou nenhuma ilegalidade nas práticas da Apple. Segundo o relatório, a companhia utilizou tecnicalidades nas legislações dos EUA e da Irlanda para pagar menos impostos sobre US$ 74 bilhões em lucros nos últimos quatro anos.

Pouco depois, em depoimento no Senado, o executivo-chefe da Apple, Tim Cook, defendeu as práticas tributárias da companhia, argumentando que a empresa paga todos os impostos devidos e que seu uso de subsidiárias estrangeiras não afeta o pagamento de tributos nos EUA. "Não há nada disso acontecendo. Pagamos todos os impostos que devemos."

A Apple não negou que suas subsidiárias não tenham pago impostos, mas negou que elas foram criadas para evitá-los. A companhia informou que paga impostos locais sobre a renda obtida em outros países e impostos norte-americanos sobre a renda gerada em suas subsidiárias irlandesas.

Cook parece ter tido algum sucesso em acalmar os parlamentares. Ele repetidamente fazia sinais para as fotos tiradas por observadores com iPhones. Além disso, os senadores fizeram questão de comentar o quanto gostam de usar os produtos da Apple. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Appleimpostos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.