Apuração na Glaxo não afeta IED na China, diz ministério

Uma investigação de suborno na GlaxoSmithKline não afetará a confiança nas empresas estrangeiras no clima de investimento na China, disse o Ministério do Comércio chinês. A investigação não afetará o investimento estrangeiro direto (IED, em inglês) da China, afirmou o porta-voz do ministério Cao Hongying em uma entrevista coletiva. "Pelo contrário, a repressão do comportamento ilegal será um encorajamento às empresas que cumprem a lei", acrescentou Cao.

AE, Agencia Estado

25 de julho de 2013 | 09h18

O IED na China no primeiro semestre subiu um pouco menos de 5%, em bases anuais, apesar de algumas empresas estrangeiras continuarem a reclamar que não operam no mesmo nível de atuação que as empresas chinesas. A Glaxo, uma fabricante de remédios baseada no Reino Unido, está sob investigação na China devido a acusações de suborno.

A companhia disse que está cooperando com a investigação chinesa e que essa conduta é contra suas políticas. A Glaxo afirmou que alguns altos executivos na sua divisão da China parecem ter violado a lei chinesa. "Nós temos tolerância zero para qualquer comportamento dessa natureza", disse a Glaxo. A polícia interrogou dois empregados da fabricante de medicamento rival AstraZeneca PLC, de acordo com a Glaxo. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
GlaxoChinasuborno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.