ArcelorMittal corta dividendo após fechar trimestre no vermelho

A ArcelorMittal, maior grupo siderúrgico do mundo, vai cortar dividendo e focar em redução de dívida depois que a desaceleração da demanda por aço na China e os fracos mercados europeus levaram a companhia a encerrar o terceiro trimestre com prejuízo.

PHILI, Reuters

31 Outubro 2012 | 07h53

O grupo, que produz 6 a 7 por cento do aço do mundo, informou nesta quarta-feira que há poucas perspectivas de rápida recuperação da indústria de aço, que movimenta 500 bilhões de dólares e é um termômetro da economia, e abandonou a previsão de que o lucro por tonelada no segundo semestre será similar ao do primeiro.

"Condições operacionais muito desafiadoras para a ArcelorMittal... devem continuar no quarto trimestre", afirmou o presidente-executivo do grupo, Lakshmi Mittal, em comunicado. As ações da empresa recuavam mais de 3 por cento.

A ArcelorMittal divulgou lucro central de 1,34 bilhão de dólares para o terceiro trimestre, em linha com expectativas de analistas, mas o nível mais fraco em 3 anos.

O grupo informou que espera que a demanda da União Europeia vai cair em 8 por cento este ano, deixando o mercado 29 por cento abaixo de níveis anteiores à crise. A empresa respondeu a isso com anúncio de fechamento de alto-fornos na Bélgica e na França.

Incluindo despesas e encargos de reestruturação relacionados aos fechamentos, bem como um evento não recorrente gerado por novo contrato de trabalho nos Estados Unidos, a ArcelorMittal sofreu prejuízo líquido de 709 milhões de dólares, acima da perda esperada de 193 milhões.

A empresa, cuja produção é mais que o dobro da rival mais próxima, informou que vai propor redução no dividendo anual para 0,20 dólar por ação em 2013. A empresa pagou 0,75 dólar por papel neste ano.

Mais conteúdo sobre:
SIDERURGIA ARCELORMITTAL RESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.