ArcelorMittal vê recuperação do mercado de aço estagnar na Europa

A ArcelorMittal, maior grupo produtor de aço do mundo, previu que as duras condições de mercado vão continuar na segunda metade do ano, particularmente na Europa, onde a empresa reduziu sua estimativa de consumo por causa da gravidade da desaceleração econômica.

Reuters

25 de julho de 2012 | 11h14

"As condições no primeiro semestre foram muito desafiadoras, de fato, mais desafiadoras do que esperávamos por uma combinação de fatores, sem mencionar a ainda não resolvida crise de dívida da zona do euro", disse o presidente-executivo da ArcelorMittal, Lakshmi Mittal, em comunicado.

Ele acrescentou que a companhia, cujo resultado do segundo trimestre foi impulsionado por um ganho com venda de ativos e ficou dentro do esperado pelo mercado, espera que condições de operação sigam basicamente similares no segundo semestre.

"A Europa continua nossa maior preocupação e a gravidade da situação é refletida na performance de nossas operações europeias", disse Mittal. "Nosso foco no restante do ano continua em melhorar mais nossa competitividade e redução de dívida."

A companhia cortou sua fraca previsão de consumo de aço na Europa, estimando queda entre 3 e 5 por cento este ano.

O resultado de segundo trimestre da ArcelorMittal ficou em grande parte em linha com o esperado pelo mercado, sem considerar ganho não recorrente. A empresa previu entregas menores de aço no segundo semestre ante o primeiro, com ganhos similares por tonelada. Os volumes de minério de ferro devem subir pelo menos 10 por cento este ano.

O vice-presidente financeiro, Atitya Mittal, disse que deve haver algum tipo de retomada técnica no quarto trimestre em relação ao tradicionalmente fraco terceiro trimestre, a menos que as condições econômica piorem.

A companhia, cuja capacidade produtiva equivale a mais que o dobro da rival mais próxima, informou que vendeu menos aço no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano, mas a preços maiores.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) alcançou 2,45 bilhões de dólares, ante expectativa média do mercado de 2,18 bilhões.

O número incluiu ganho de 339 milhões de dólares com a venda da distribuidora de aços especiais norte-americana Skyline Steel para a Nucor.

A ArcelorMittal informou ainda nesta quarta-feira que acertou a venda de sua participação de 48,1 por cento na companhia de engenharia Paul Wurth Group para a alemã SMS GmbH, por 300 milhões de euros.

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIAARCELORMITTALEUROPA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.